domingo, 15 de julho de 2012

SÉTIMA PROFECIA MAIA NIBIRU

Prevê mudanças genéticas no organismo humano com o desenvolvimento de faculdades extra-sensoriais, como a telepatia, não apenas no sentido de transmitir o pensamento, mas, sobretudo a capacidade de ler o pensamento alheio, extinguindo atitudes hipócritas, o desenvolvimento da capacidade da auto-cura. (São Malaquias)

Existe uma teoria Maia que se refere a uma preparação transcendental do ser humano. Essa teoria se refere à mudança da Consciência do ser humano. Segundo os Maias, a própria energia adicional do raio emitido pelo centro da galáxia (HU-NAB Ku) ativará o código genético de origem divina dos seres humanos que estarão em alta frequência de vibração, ampliando a consciência de todos os seres humanos, gerando nova realidade coletiva e universal. Os sobreviventes serão os habitantes da nova Terra, da Nova Jerusalém tão mencionada no Evangelho.

Vejamos agora alguns pontos de vista astrológicos: durante o solstício a Terra estará alinhada com o Sol e com o centro da nossa galáxia, Via Láctea.

Segundo a cosmologia Maia, o planeta Terra possui 8 grandes ciclos de duração de 20 anos, denominados Katun. O sétimo ciclo foi o ciclo da destruição dos governos. O oitavo Katun será concluído em 2012, caracterizando o último período do Ciclo Maia, considerado o ciclo dos fenômenos Cósmicos. Segundo pesquisas, esses ciclos não foram arbitrariamente traçados, mas foram feitos de acordo com conhecimentos astronômicos avançados. Os Maias acreditavam que o sol respira por 5.125 anos e depois ele explode, mudando a sua polaridade, causando uma labareda e projeções de massa coronária do sol, desativando satélites.

A profecia Maia do juízo final refere-se ao último dia do oitavo ciclo Katun, ou seja, 21 de dezembro de 2012, segundo Steven Alten. O quinto e atual ciclo terminará com um raro fenômeno cósmico que os Maias previram há mais de 2.000 anos e que baseia-se em um alinhamento astronômico, quando o sol do solstício se alinhará com o centro de nossa galáxia. Trata-se de um raro alinhamento cósmico. Acontece uma vez a cada 26.000 anos, diz John Major Jenkins, autor do livro Maya Cosmogenese 2012.

A cada 26.000 anos o sol se alinha com o centro da Via Láctea. Ao mesmo tempo ocorre outro raro fenômeno astrológico, uma mudança do eixo da terra em relação à esfera celeste. O fenômeno se chama Precessão. A Terra oscilará lentamente sobre o seu eixo mudando nossa orientação angular em relação à galáxia. Segundo John Major Jenkins uma precessão completa leva cerca de 26.000 anos.

Os sumérios, a civilização mais antiga do mundo, que viveram cerca de 6000 anos atrás, descreveram que o sistema solar é formado por um conjunto de 12 corpos celestes significativos, incluindo planetas como o longínquo Plutão (1930), Urano (1781) e Netuno (1846). Esses planetas foram reconhecidos na ciência contemporânea, confirmando o que já existiam nas escritas cuneiformes dos sumérios . Porém, existe um planeta que até hoje não foi encontrado ainda, ou quem sabe, foi encontrado, mas por questões misteriosas não foi reconhecido e divulgado pela ciência. Esse é o 12º planeta, o qual os sumérios denominavam Nibiru.

O Nibiru é citado na mitologia mesopotâmica como a morada dos mestres e colonizadores da Terra, os viajantes cósmicos que retornarão a cada 3.600 anos para a vizinhança da órbita terrestre. Segundo os Sumérios, era o planeta de origem de um povo descrito pelos antigos como "*raça de deuses*". Os nativos de Nibiru visitaram a Terra no passado influenciando decisivamente a cultura humana. Artefatos e tabuletas cuneiformes de argila e pedra encontradas no Iraque referem-se claramente a um planeta de onde vieram viajantes cósmicos. Esses viajantes de Nibiru, os Anunnakis, chegaram à Terra e foram considerados deuses. A herança destes remotos alienígenas aparece na avançada tecnologia dos sumérios e de outros povos ao redor do mundo. Muitas relíquias não são acessíveis ao público que, assim, desconhece essa face da mitologia mesopotâmica.

O Nibiru é citado na mitologia mesopotâmica como a morada dos mestres e colonizadores da Terra, os viajantes cósmicos que retornarão a cada 3.600 anos para a vizinhança da órbita terrestre. Muitos astrônomos estão procurando este planeta misterioso. Entretanto, encontrei bibliografias que mencionam que a NASA já reconhece (mas não divulga) a existência do Nibiru, denominando-o de Orcus. "A NASA localizou um maciço e negro objeto cósmico nos céus do hemisfério sul, fato que pode justificar a recente reativação de telescópios na Argentina e no Chile". Sitchin, que visitou vários observatórios astronômicos da antigüidade, constatou que todos privilegiam a visão do quadrante sul e também estão localizados na mesma latitude da Terra.

Porém, ele é dificilmente observado, pois não é visto nos céus contemporâneos. Isso acontece porque a órbita do 10º planeta (12º astro dos sumérios) é uma elíptica extremamente alongada, muito além da órbita de Plutão.

O ano de Nibiru corresponde a 3 mil e 600 anos terrenos, é o tempo que o Planeta X leva para completar uma órbita inteira em volta do Sol. Se diz que em 2012 ele aparecerá no céu como um segundo Sol.

A órbita excêntrica e extensa de Nibiru faz com que o planeta passe milênios totalmente invisível à observação na Terra. Zecharia Sitchin acredita que quando a posição de Nibiru é favorável, ciclicamente, os Anunnaki - habitantes de Nibiru - visitam a Terra e interferem no curso da história humana.

Essa órbita de 3600 anos em torno do sol, segundo profecias e escritas sumérias cuneiformes, coincide com o retorno de alguns deuses à Terra - Quetzalcoatl havia prometido retornar no pacote de 52 anos na unidade de tempo Baktun, considerando que um Baktun dura 144 mil dias. Dessa forma, o ano calculado do retorno mágico desse deus será em 2087 e não 2012. Esse retorno é justamente no ano em que o Nibiru passará pela Terra, trazendo os Anunnakis, ou seja, habitantes desse planeta.

Todas essas opções de cálculos são cíclicas. E em ambos os cálculos a chegada do Nibiru está em um futuro distante.

De fato, o Nibiru passou pela Terra cerca de 560 a.C. Considerando que o perfeito Sar de 3600 anos sempre foi um período orbital matemático, tendo em vista as órbitas celestiais de planetas, cometas, asteroides que se desviam de órbita em órbita em função da atração gravitacional de outros planetas próximos de onde passam. Alguns cientistas baseiam seus cálculos no acontecimento catastrófico do Dilúvio, cerca de 10.900 a.C. O dilúvio ocorreu por um desvio do eixo da Terra que fez com que a camada de gelo que cobria a Antártica se deslizou. Assim será quando o Nibiru passar pela Terra. Haverá um alinhamento planetário muito raro, que só acontece no período de 26.000 anos denominado Precessão, quando o sol se alinha com a Via Láctea, alterando o eixo da Terra. O ciclo de Precessão é uma medida dos Maias.

Se os sumérios há 6 mil anos estavam corretos em relação aos nove planetas reconhecidos e mais a lua e o sol, dando um total de 11 corpos celestes. Porque estariam errados sobre o décimo segundo planeta? Se foi constatado a exatidão de suas observações astronômicas pela ciência contemporânea, não seria pouco provável que eles não poderiam estar igualmente corretos em relação ao Nibiru?

http://www.doismiledoze.com/

Nenhum comentário:

Postar um comentário