domingo, 31 de janeiro de 2010

DNA PODE TER HÉLICE TRIPLA

Sempre que alguém se põe a recontar a saga da descoberta da estrutura do DNA, volta à baila a mancada histórica do genial Linus Pauling (1901-1994), Nobel de Química e da Paz.

Ele chegou a publicar um estudo propondo que a molécula da hereditariedade era uma esquisitíssima hélice tripla, com as "letras" químicas A, T, C e G apontando para fora da molécula. No mesmo ano, 1953, James Watson e Francis Crick sepultaram o modelo maluco: o DNA só podia ser mesmo uma hélice dupla, simples e icônica. Ou não? Dados de análise do material genético de duas espécies de moscas indicam que o DNA talvez forme triplas hélices em células vivas

Depende, sugere o trabalho de uma equipe brasileira. Os dados obtidos por eles, durante a análise do material genético de duas espécies de moscas, indicam que o DNA talvez forme triplas hélices em células vivas, afinal de contas. A configuração pouco ortodoxa da molécula apareceria em locais muito específicos, influenciando a maneira como o material genético funcionaria nessas regiões.

"É bom ressaltar que a gente não está tentando ressuscitar o modelo do Pauling", explica Eduardo Gorab, do Instituto de Biociências da USP. "A estrutura que ele propunha era totalmente estrambólica. Mal dá para entender como um gênio do calibre dele se saiu com aquele negócio, que nem ácido é [tanto o DNA quanto o RNA, seu "primo" molecular, são classificados quimicamente como ácidos nucleicos]", afirma o pesquisador da USP.

Se não reabilita o ganhador do Nobel duplo, o trabalho de Gorab e seus colegas segue uma pista que é quase tão antiga quando a publicação da estrutura "correta" do DNA. No final dos anos 1950 e durante todos os anos 1960, experimentos mostraram, inicialmente, que o RNA, mais conhecido como o transmissor da informação do DNA para a maquinaria das células, podia formar triplas hélices. "Mais tarde, houve a constatação de que isso também podia acontecer em fitas híbridas de RNA ou DNA, e mesmo apenas com DNA", afirma Gorab. Os dados vinham, é verdade, de análises in vitro dos ácidos nucleicos, em contextos bem diferentes da atuação natural das moléculas no organismo, mas eram intrigantes, nem que fosse como curiosidade bioquímica.

A capacidade de identificar hélices triplas, seja de RNA, seja de DNA, tornou-se mais apurada nos anos seguintes graças ao trabalho de Bernard David Stollar, da Universidade Tufts (Estados Unidos), que criou anticorpos capazes de se ligar a essas moléculas.

Trata-se, grosso modo, de um sistema de fechadura e chave: os anticorpos se adaptam ao formato das hélices triplas, grudando-se nelas e denunciando a presença das ditas cujas. "O trabalho do Stollar foi muito importante, e por isso a gente insistiu para que ele assinasse o artigo conosco", diz Gorab, referindo-se ao estudo em edição recente da revista científica "Chromosome Research".

Apesar da importância histórica de seus anticorpos, Stollar acabou não avançando no estudo das triplas hélices. Por sorte, contudo, outro coautor do estudo, José Mariano Amabis, também da USP, havia passado uma temporada no laboratório do americano durante os anos 1980, e o grupo resolveu tirar da geladeira os anticorpos de Stollar, por assim dizer.

Para a análise, o grupo usou cromossomos (as estruturas enoveladas que abrigam o DNA) da mosca Drosophila melanogaster, velho burro de carga dos laboratórios de biologia, e também o de outra mosca, a Rhynchosciara americana, famosa na ciência brasileira e mundial pela maneira peculiar como regiões específicas do seu genoma são multiplicadas. "É possível obter dela cromossomos gigantes, politênicos [formados por material genético multiplicado e emendado, que não se separou por divisão da célula, como ocorreria normalmente], com dimensões excepcionais", diz Gorab.

Isso facilita o estudo do material cromossômico. Um dos pioneiros da genética brasileira, Crodowaldo Pavan (1919-2009), fez grande parte das suas descobertas graças à mosca. "Aposto que ainda temos coisas importantes a aprender com ela", afirma o pesquisador.

A aposta parece ter sido bem calibrada. O que o grupo viu realmente indica a presença de regiões com hélices triplas no material genético das duas moscas. "A grande pergunta que todo mundo quer responder é: será que as triplas hélices estão presentes in vivo [no organismo em seu estado vivo]? Nossos dados mostram que isso é possível", afirma Gorab. Mas ainda há alguns senões. O mais importante deles envolve um problema metodológico. Para poder examinar os cromossomos das moscas, os pesquisadores precisaram fixá-los, procedimento que envolve o emprego de álcool e ácido acético.

A fixação leva a mudanças no estado natural do DNA, o que poderia, em tese, ser uma explicação alternativa para as triplas hélices. Por isso, o objetivo da equipe agora é tornar a análise menos invasiva, de modo a refletir o que acontece no organismo dos bichos. Se as hélices triplas estiverem mesmo presentes ao natural, Gorab diz que elas poderiam "emperrar" processos envolvendo o DNA. "Elas seriam um impedimento para uma série de eventos, como transcrição [passagem da informação do DNA para o RNA] e replicação [multiplicação do material genético]", avalia. Seria, portanto, mais um nível de sofisticação no processo já complicadíssimo de ativação e desativação dos genes.

INTERNET A TERCEIRA GUERRA MUNDIAL

O século 20 já estava chegando ao fim e falava-se na possibilidade de uma 3ª Guerra Mundial antes que o século terminasse.  Ela já estava acontecendo e parece que poucos perceberam, surgia a internet!

Internet, uma "guerra" diferente onde todos os povos começam a se encontrar de maneira - outrora - sequer sonhada. Diferente por não ter como finalidade a desunião,
mas a união através da sua mais pura fonte de manifestação: a essência humana.

E cá estamos nós... Nós, os internautas.
Nesta guerra só prevalece uma lei:
a Lei de Causa e Efeito.

Suas mais poderosas armas são as palavras, temos todos igual poder: somos soldados, marechais, generais nesta guerra onde escolhemos entrar. Para ela ninguém é convocado.  Nela somos todos voluntários, não sendo dispensados os idosos, os deficientes nem crianças nem mulheres.

Nós somos navios e aviões trazendo munições de um mundo muito particular: o nosso mundo interior. Esta "guerra" nos permite escolher disparar bombas de discórdia ou granadas de Paz.

Nela, nosso comandante é o nosso livre arbítrio, é ele que nos coloca entre aliados ou entre inimigos.  Podemos a qualquer momento desertar, essa deserção poderá nem ser notada, dependendo da nossa atuação, nossa forma de agir e interagir com nossos companheiros de tela

Assim, enquanto estamos nesta "guerra", perguntemos a nós mesmos: "Se eu desertasse agora, eu deixaria saudade? Eu provocaria suspiros de alívio? Eu faria falta?  As palavras (meus recursos) seriam lembradas com amor ou com ressentimentos?".  Avalie-se.

Esta não é uma guerra onde entramos para "matar ou morrer" nela estamos para doar, receber, ensinar, compartilhar e aprender. Nós, os internautas, temos nas mãos o poder e a oportunidade de sermos os Voluntários da tão almejada Paz Universal!l

albuquerque.blogspot.co

domingo, 24 de janeiro de 2010

GENE HUMANO PODE CONTER O NOME DE DEUS

Deus não criou o homem à sua imagem e semelhança, conforme diz a Bíblia. Seus filhos apenas compartilham os atributos do seu nome que estaria gravado em suas células. É o que sustenta o escritor e pesquisador Gregg Braden ao ligar os alfabetos bíblicos, hebraico e árabe à química moderna.

Aí, diz ele, encontra-se um código perdido, um alfabeto traduzível que é a chave para os mistérios de nossa origem e vive conosco desde sempre. A pesquisa de Braden revela que os elementos hidrogênio, nitrogênio, oxigênio e carbono, que formam o nosso DNA, podem ser substituídos por letras das antigas línguas.

“Com isso, o código da vida se transforma em uma mensagem eterna. Traduzida, ela mostra que as letras do antigo nome de Deus estão codificadas como informação genética em cada célula da vida”, sustenta o pesquisador em seu novo livro

A chave para traduzir o código do DNA para uma linguagem significativa é aplicar a descoberta que converte os elementos em letras.“Com base em seus valores equivalentes, se transforma:

hidrogênio na letra hebraica yod (y)
nitrogênio  na letra hey (h)
oxigênio na letra vav (v)
carbono na letra gimel (g)

Essas substituições revelam que a antiga forma do nome de Deus, YH, existe como química do nosso código genético. Por meio dessa ponte entre o nome de Deus e os elementos da ciência moderna, é possível desvendar o mistério e descobrir um significado ainda maior no antigo código que vive em cada célula do nosso corpo”, sustenta Braden.

O pesquisador considera que a sua pesquisa evidencia um ato divino: “Preservada dentro de cada célula dos cerca de seis bilhões de habitantes do nosso mundo, a mensagem é repetida, muitas vezes, para formar os elementos de nossa existência. Ela está dentro de cada um de nós, independente de raça, religião ou crença”.

Descoberta pode levar à união dos povos Gregg Braden acredita que “a assinatura do antigo nome de Deus oferece um denominador comum inédito, que nos permite resolver as diferenças. Essa evidência palpável nos dá também uma razão para acreditar que a paz é viável e vantajosa. Como cidadão do mundo, somos muito mais do que as religiões, crenças, modos de vida, fronteiras ou tecnologias que nos separam. Nos momentos em que duvidamos dessa verdade imutável, basta lembrar da mensagem que trazemos no corpo. Esse é o poder da mensagem que há dentro das nossas células”.

O nome de Deus tem as mesmas letras e o mesmo sentido em todas as línguas, alega o pesquisador. Tanto a tradição judaica como a islâmica têm uma ancestralidade comum representada pelo patriarca Abraão, mas suas interpretações dos ensinamentos diferenciaram-se ao longo dos séculos.

“Mesmo levando em conta essas diferenças, o código numérico oculto dos alfabetos hebraico e árabe revela precisamente o mesmo valor e produz precisamente o mesmo segredo do nome de Deus no nosso corpo. Com isso, o código leva a mesma mensagem de esperança para as três religiões que congregam mais da metade da população do mundo: o Judaísmo, o Islamismo e o Cristianismo”.

Braden interpreta que a mensagem “Deus eterno dentro do corpo” possa ser traduzida de várias maneiras. “Seja qual for a fonte do nosso código genético, o alto grau de ordem contido na mensagem diz que existe alguma coisa “lá fora”. A mensagem que trazemos no corpo é sem precedentes como base comum para a resolução de nossas diferenças”.

Carbono nos torna diferentes de Deus “Somos o produto de elementos e moléculas que se combinaram ao acaso para produzir o milagre da vida, ou somos o resultado de um ato intencional de criação? Embora não se elucide a origem do código em nossas células, o simples fato de sua existência e a pouca probabilidade de essa mensagem ter-se formado ao acaso sugerem que há uma inteligência e uma intenção subjacente à nossa origem”, infere Gregg Braden.

O pesquisador deixa claro que, antes de escrever o seu livro, foi preciso estabelecer com a maior precisão possível o nome pelo qual a presença sobre o Monte Sinai se identificou para Moisés. Após 12 anos de pesquisas, ele concluiu que “há um nome que sobrevive como o nome pessoal de Deus: YHVH, o eterno”.

Segundo Braden, “quando substituímos os elementos modernos pelas quatro letras do antigo nome de Deus, temos um resultado inesperado, à primeira vista. Trocando h final de YHVH pelo seu equivalente químico, o nitrogênio, o oxigênio e nitrogênio (HNON), todos eles são gazes sem cor, sem cheiro e invisíveis. Substituir 100% do nome pessoal de Deus pelos elementos deste mundo cria uma substância que é uma forma de criação intangível, mas real”.

O pesquisador lembra que as primeiras definições de Deus dizem que Ele é onipresente e que, no nosso mundo, assume a forma invisível aos olhos.  “Então Ele só pode ser conhecido por meio de suas manifestações. Os primeiros capítulos do Gênesis relatam que é nessa forma não-física que o Criador estava presente no tempo da criação”.

Braden deixa claro que a humanidade compartilha das três primeiras letras antigas que representam 75% do nome do Criador, mas a quarta e última letra do nosso nome químico nos separa de Deus. Enquanto a presença de Deus é a forma invisível e impalpável dos três gazes, hidrogênio, nitrogênio e oxigênio, a última letra do nosso nome é aquilo que nos dá a cor, o gosto, a textura e os sons do corpo: o carbono. A única letra que nos separa de Deus é também o elemento que nos torna reais no nosso mundo”.

dynavision.co.jp/gregg_e.html

CRISTAIS DE NEVE

Esta microfotografia mostra um cristal de neve natural, que caiu na cidade de Burlington, nos Estados Unidos, e foi fotografado pelo físico Kenneth Libbrecht, do Instituto de Tecnologia da Califórnia.O cristal de neve mede apenas 3 milímetros de ponta a ponta e se desenvolveu em várias camadas de gelo. Olhando com cuidado, é possível distinguir as quatro camadas que formam este cristal. Ao centro, a formação criou uma estrutura que lembra um olho.Cristais de neve podem crescer em inúmeros formatos, dependendo principalmente da temperatura onde eles se cristalizam ou das variações de temperatura que eles sofrem à medida que cristalizam.
GOOGLE IMAGENS

sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

MONGE YONGEY MINGYUR RINPOCHE

Ao medir a atividade da área relacionada à felicidade, que fica no córtex frontal do cérebro, os cientistas da Universidade de Wisconsin, nos Estados Unidos, levaram um susto. Quando submeteram o jovem mestre tibetano Yongey Mingyur Rinpoche aos seus testes, descobriram que ele mostrava uma atividade de 700% a 1 000% maior do que uma pessoa normal nessa área cerebral.

Yongey, um dos oito monges meditadores indicados pelo Dalai Lama para participar do estudo, era quase dez vezes mais feliz que qualquer pessoa do planeta enquanto estava meditando. Em termos já mensuráveis, ele poderia ser considerado o homem mais feliz do mundo.

O resultado foi tão surpreendente que as revistas Time e National Geographic se uniram para divulgar, no fim do ano passado, as descobertas das pesquisas que relacionavam a meditação à capacidade de ser feliz. Mingyur Rinpoche, por sua vez, escreveu um livro sobre felicidade, neurociência e budismo a ser lançado em março no Brasil.Aos 30 anos, o monge é tido como a reencarnação de dois mestres tibetanos que teriam se reunido em uma só pessoa para ensinar o caminho da iluminação.

Nossa natureza mais essencial pode ser descrita como felicidade em estado puro. No budismo, esse estado é chamado de natureza búdica, nossa natureza iluminada, desperta, tanto quanto a de um Buda.Todos os seres, em essência, são essa felicidade que não depende de nenhuma condição externa. E queremos ser felizes porque temos saudade desse estado primordial. Por isso é que toda pessoa, não importa o país ou a sociedade em que viva, quer ser feliz – ela simplesmente quer voltar a ser o que ela já é, em sua essência. Porém, essa realidade última é obscurecida pelo efeito de nossas ações, o carma. Não reconhecemos nossa verdadeira natureza. Mas um diamante não deixa de ser um diamante só porque está coberto de terra. Se retirarmos a terra, vamos encontrar novamente seu brilho e esplendor. Esse é o caminho da iluminação: retirar o que nos separa da natureza búdica.

As religiões estão emergindo para uma fase ecológica. A crise que estamos vivendo chama as religiões a isso, a reexaminar suas doutrinas, práticas e rituais e reconfigurá-los para o mundo moderno.O diálogo ambiental das tradições religiosas já está ocorrendo, como no Parlamento das Religiões em Chicago, em 1993, na África do Sul,em 1999, nas fortes indicações do patriarcado da Igreja Ortodoxa Grega, entre outras manifestações.

Os pensamento não vão parar de surgir, mas veremos que podemos deixar de segui-los. Eles vão passar como nuvens. E, entre eles, vamos perceber que há momentos, que duram milésimos de segundo, em que nada acontece.Começamos assim a entrar em contato com a totalidade de nossa mente e vemos que ela é muito maior do que os pensamentos e as emoções causadas por eles. Com a prática constante, a mente vai se tornando cada vez mais clara até mesmo para o que temos de fazer no dia-a-dia. Quando não somos mais tão dominados por pensamentos e pelas emoções negativas causadas por eles, nos tornamos mais felizes.

Na verdade, existem duas visões sobre a felicidade. Para a maioria das pessoas, a felicidade vem de fora. Fico feliz porque tenho uma boa casa, carros ou se ganho na loteria.Pelo menos, por algum tempo, vou me sentir feliz por ter alguns dos meus desejos satisfeitos. Mas isso, é claro, não dura. Os cientistas fizeram uma pesquisa muito curiosa: descobriram que os ganhadores de loteria, nos dois primeiros anos, ficavam realmente muito felizes. Porém, depois desse período, essa sensação de felicidade começava a declinar rapidamente até atingir os mesmos índices de quem nunca havia ganhado na loteria, se não índices piores. Isso significa que vão surgir outros desejos que não posso satisfazer e vou ficar infeliz de novo. Ou vou ficar com medo de perder o que tenho e tentar me agarrar desesperadamente a isso, condição que, novamente, vai me trazer muita infelicidade. Segundo o budismo, esse tipo de felicidade, que depende de um objeto externo e do apego, é ligado à infelicidade, pois elas são interdependentes. A felicidade que vem de fora é condicionada, instável e de pouca duração. Existe, é bom tê-la, mas é efêmera e impura, pois traz junto a infelicidade.

A que vem de dentro e que não depende de nenhum objeto externo. Ela está mais associada à calma, à pacificação interna, ao relaxamento. Essa felicidade é mais clara, serena, perene. E a alegria, o bem-estar, surge naturalmente quando você tem essa paz interna fortalecida. É uma felicidade sem apego,muito ligada ao momento presente. Ela não está baseada nem no medo nem na esperança  Esse tipo de felicidade imutável surge da compreensão da natureza ilusória da realidade. E pode ser desenvolvida por meio do amor, da compaixão e da devoção espiritual.

vidasimples.abril.uol.com.br

quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

MANTRA OM MANI PADME HUM GERA LEVITAÇÃO ACUSTICA


Em 1959 o projetista sueco Henry Kjellson publicou um curioso relato em uma revista alemã. Dizia ele que seu amigo, o Dr. Jarl, estudava em Oxford e fez amizade com um jovem estudante tibetano. Algum tempo depois, enquanto o Dr. Jarl estava no Egito em uma viagem para a Sociedade Científica Inglesa, um mensageiro de seu amigo tibetano o chamou urgentemente para ir ao Tibete para cuidar de um Lama.

Depois de conseguir uma licença e viajar, de avião e mesmo yaks até um monastério isolado a sudoeste de Lhasa, o Dr. Jarl ficou surpreso ao descobrir que o Lama era seu próprio amigo tibetano de Oxford. Tudo correu bem, e por causa de sua amizade, o Dr. Jarl pôde aprender muitas coisas que outros forasteiros não tinham chance de sequer observar.

Foi assim que ele presenciou com seus próprios olhos algo fantástico, um conhecimento derivado diretamente dos antigos egípcios. Os monges mostraram como erguiam blocos de toneladas ao topo de um desfiladeiro com altura de mais de 250 metros usando… tambores e trompetes.

Kjellson relata:“No meio do local estava uma base de pedra polida com uma pequena cavidade no centro. Ela tinha o diâmetro de um metro e uma profundidade de 15 centímetros. Um bloco de pedra era manobrado para a cavidade. Então, 19 instrumentos musicais eram disposto em um arco com 90 graus a uma distância de 63 metros da base ao centro. Os instrumentos consistiam de 13 tambores e seis trompetes (Ragdons). Oito tambores tinham uma seção de um metro e um comprimento entre um e 1,5 metro. O único tambor pequeno tinha uma seção de 0,2 metros e comprimento de 0,3 metros. Todos os trompetes tinham o mesmo tamanho, 3,12 metros e uma abertura de 0,3 metros.

Os tambores grandes eram feito de folhas de ferro de 3 mm, e tinham um peso de 150 Kg. Todos tinham um lado aberto, enquanto o outro tinha um fundo de metal, que os monges batiam com grandes bastões com couro. [Enquanto batiam nos tambores e tocavam os trompetes], todos os monges estavam cantando e entoando um cântico, lentamente aumentando o tempo deste barulho ensurdecedor.
Pelos primeiros quatro minutos nada aconteceu, mas enquanto a velocidade dos tambores aumentou, a grande pedra começou a se mexer e subitamente ergueu-se no ar com uma velocidade crescente na direção da plataforma em frente do buraco da caverna a 250 metros de altura. Continuamente eles traziam novos blocos, e usando este método, transportaram 5 a 6 blocos por hora em um vôo parabólico de aproximadamente 500 metros de distância. De vez em quando o bloco em vôo se quebrava, e os monges retiravam as pedras quebradas. Uma tarefa inacreditável”.

Inacreditável? Talvez porque, embora o Dr. Jarl tenha filmado todo o evento, a Sociedade Científica Inglesa – para a qual ele estava submetido – tenha confiscado os dois filmes. Nunca foram vistos publicamente. Mas a levitação acústica, em pequena escala ao menos, é uma realidade para a “ciência ortodoxa”.

Os antigos egípcios e monges tibetanos não estão sós. Alguns dizem que diversas outras construções megalíticas antigas pelo mundo, de Stonehenge a Tihuanaco, também manipulavam ondas acústicas, não apenas para levitação, mas para induzir “experiências transcendentais”.

PIRÂMIDE AS PEDRAS LEVITAVAM PELA VIBRAÇÃO DO SOM

Conhecido como o “Heródoto dos árabes”, o historiador Abu al-Hasan ‘Ali- al-Mas’u-di descreveu no século 10 a forma como as pirâmides foram construídas. Segundo a lenda, um “papiro mágico” era usado para fazer os blocos de pedra levitar. Não era magia, era tecnologia!

O papiro era colocado abaixo do bloco a ser movido, e a pedra era então golpeada com um cetro de metal como o que as divindades egípcias são comumente representadas portando. Aqui estava o segredo. Isto criava uma ressonância acústica que fazia a pedra levantar e se mover ao longo de outros postes de metal, amplificando a ressonância. O procedimento era repetido toda vez que a ressonância começava a se dispersar. O “papiro mágico” talvez atuasse como um isolante entre a pedra e o solo, facilitando a ressonância.

As pedras levitavam com som. Abra sua mente, porque dizem que este conhecimento oculto foi preservado, sendo aplicado por monges tibetanos em anos recentes, e há mesmo registros filmográficos do fenômeno.

OMMMMMM
Em 1959 o projetista sueco Henry Kjellson publicou um curioso relato em uma revista alemã. Dizia ele que seu amigo, o Dr. Jarl, estudava em Oxford e fez amizade com um jovem estudante tibetano. Algum tempo depois, enquanto o Dr. Jarl estava no Egito em uma viagem para a Sociedade Científica Inglesa, um mensageiro de seu amigo tibetano o chamou urgentemente para ir ao Tibete para cuidar de um Lama.

Depois de conseguir uma licença e viajar, de avião e mesmo yaks até um monastério isolado a sudoeste de Lhasa, o Dr. Jarl ficou surpreso ao descobrir que o Lama era seu próprio amigo tibetano de Oxford. Tudo correu bem, e por causa de sua amizade, o Dr. Jarl pôde aprender muitas coisas que outros forasteiros não tinham chance de sequer observar.

Foi assim que ele presenciou com seus próprios olhos algo fantástico, um conhecimento derivado diretamente dos antigos egípcios. Os monges mostraram como erguiam blocos de toneladas ao topo de um desfiladeiro com altura de mais de 250 metros usando… tambores e trompetes. Kjellson relata:

“No meio do local estava uma base de pedra polida com uma pequena cavidade no centro. Ela tinha o diâmetro de um metro e uma profundidade de 15 centímetros. Um bloco de pedra era manobrado para a cavidade. Então, 19 instrumentos musicais eram disposto em um arco com 90 graus a uma distância de 63 metros da base ao centro. Os instrumentos consistiam de 13 tambores e seis trompetes (Ragdons). Oito tambores tinham uma seção de um metro e um comprimento entre um e 1,5 metro. O único tambor pequeno tinha uma seção de 0,2 metros e comprimento de 0,3 metros. Todos os trompetes tinham o mesmo tamanho, 3,12 metros e uma abertura de 0,3 metros.

Os tambores grandes eram feito de folhas de ferro de 3 mm, e tinham um peso de 150 Kg. Todos tinham um lado aberto, enquanto o outro tinha um fundo de metal, que os monges batiam com grandes bastões com couro. [Enquanto batiam nos tambores e tocavam os trompetes], todos os monges estavam cantando e entoando um cântico, lentamente aumentando o tempo deste barulho ensurdecedor.
Pelos primeiros quatro minutos nada aconteceu, mas enquanto a velocidade dos tambores aumentou, a grande pedra começou a se mexer e subitamente ergueu-se no ar com uma velocidade crescente na direção da plataforma em frente do buraco da caverna a 250 metros de altura. Continuamente eles traziam novos blocos, e usando este método, transportaram 5 a 6 blocos por hora em um vôo parabólico de aproximadamente 500 metros de distância. De vez em quando o bloco em vôo se quebrava, e os monges retiravam as pedras quebradas. Uma tarefa inacreditável”.
Inacreditável? Talvez porque, embora o Dr. Jarl tenha filmado todo o evento, a Sociedade Científica Inglesa – para a qual ele estava submetido – tenha confiscado os dois filmes. Nunca foram vistos publicamente.  Mas a levitação acústica, em pequena escala ao menos, é uma realidade para a “ciência ortodoxa”.

E não é só. Isto é, os antigos egípcios e monges tibetanos não estão sós. Alguns dizem que diversas outras construções megalíticas antigas pelo mundo, de Stonehenge a Tihuanaco, também manipulavam ondas acústicas, não apenas para levitação, mas para induzir “experiências transcendentais”.

MONGES TIBETANOS E A LEVITAÇÃO

“Um dos possíveis métodos de se gerar gravidade artificial ou “anti-gravidade” é através do SOM. Mais especificamente, através da ressonância.Uma história muito intrigante agora nos vem a tona relacionada com uma técnica de construção dos templos dos monges tibetanos. Eles conseguem elevar enormes blocos de pedra através de um complicado sistema de instrumentos musicais dispostos ao redor do bloco.O grande Mestre é quem comanda este “concerto”, e, quando determinado arranjo de freqüências é atingido, o bloco simplesmente começa a flutuar, e a subir, e quando ele chega na altura desejada, o “concerto” pára e o bloco é posicionado.

A seguir, está o relato, publicado em uma revista alemã, que descreve toda a história em detalhes: “Nós sabemos dos mestres do oriente que eles eram capazes de levantar pesados blocos de pedra e colocá-los em alturas muito elevadas, com o auxílio de um arranjo de vários sons. O conhecimento das várias vibrações na freqüência audível demonstra para um físico que um campo sonoro vibrante e condensado pode anular o efeito da gravidade. O engenheiro suiço Olaf Alexanderson escreveu sobre este fenômeno na publicação Implosion, No. 13.

O seguinte relato é baseado nas observações que foram feitas a apenas 20 anos atrás no Tibet. O autor do relato é o engenheiro civil e aviador Henry Kjelson, um amigo meu. Ele mais tarde incluiu este relato no livro The Lost Techniques (As técnicas perdidas). Este é o relato:

Um doutor suiço, Dr. Jarl, amigo de Kjenson, estudou em Oxford. Nessa época, ele fez amizade com um jovem estudante tibetano. Alguns anos depois, em 1939, Dr. Jarl fez uma viagem ao Egito para a English Scientific Society. Lá ele foi visto por um mensageiro de seu amigo tibetano, e urgentemente pediu que viesse ao Tibet para tratar de um grande Lama. Depois que o Dr. Jarl se desocupou, ele seguiu o mensageiro e chegou, depois de uma longa viagem de avião e de caravana de Yakes (animais de carga tibetanos), no monastério, onde o velho Lama e seu amigo, que agora estava em uma alta posição, estavam vivendo.

Dr. Jarl ficou lá por um tempo, e por causa de sua grande amizade com os tibetanos, ele aprendeu um monte de coisas que outros estrangeiros não têm chance de escutar, ou observar.

Um dia seu amigo o levou para um lugar na vizinhança do monastério e mostrou a ele um prado inclinado perto de grandes colinas ao noroeste. Em uma das paredes da colina, com uma altura de aproximadamente 250 metros, estava um grande buraco que parecia ser a entrada de uma caverna. Na frente deste buraco estava uma plataforma que os monges estavam utilizando para construir uma parede de pedra. O único acesso a esta plataforma era do topo da colina e os monges desciam com a ajuda de cordas.

Mais 250 metros abaixo da plataforma estava um grande bloco de pedra polido com uma cavidade em forma de tigela no centro. Esta cavidade tinha um diâmetro de um metro e profundidade de 15 centímetros. Um outro bloco de pedra foi manipulado com a ajuda dos Yakes e foi encaixado na cavidade. O grande bloco tinha um metro de largura e um metro e meio de profundidade.

Então 19 instrumentos musicais foram posicionados em um arco de 90 graus a uma distância de 63 metros do bloco de pedra. O raio de 63 metros foi medido com extrema precisão. Os instrumentos musicais consistiam de 13 tambores e 6 trumpetes. Oito tambores tinham raio de 1 metro e profundidade de 1 metro e meio. Quatro tambores eram de tamanho médio, com raio de 70 centímetros e profundidade de 1 metro. O único tambor pequeno tinha raio de 20 cm e profundidade de 30 cm. Todos os trumpetes eram do mesmo tamanho. Eles tinham um comprimento de 3.12 metros e abertura de 30 cm. Os tambores grandes e todos os trumpetes estavam fixados em montes que podiam ser ajustados com cajados na direção do bloco de pedra. Os grandes tambores eram feitos de folhas de ferro de 3 mm de espessura, e tinham um peso de 150 kg. Eles eram construídos em 5 seções. Todos os tambores eram abertos na extremidade, e na outra estavam fechados por paredes de metal, na qual os monges batiam com paus revestidos de couro. Atrás de cada instrumento estava uma fila de monges. Quando a pedra estava em posição, o monge atrás do pequeno tambor dava um sinal para começar o concerto. O tambor pequeno tinha um som muito agudo, que podia ser ouvido mesmo com os outros instrumentos fazendo um terrível barulho. Os monges estavam cantando uma oração, aos poucos fazendo crescer o período deste barulho inacreditável. Durante os primeiros quatro minutos nada aconteceu, então à medida que a velocidade de batida dos tambores e o barulho crescia, o grande bloco de pedra começou a se mexer, e de repente ele levantou vôo com uma velocidade crescente em direção da plataforma na frente do buraco da caverna. Depois de três minutos de subida ele pousou na plataforma.

Continuamente eles traziam novos blocos para a plataforma, e os monges usando este método transportavam de 5 a 6 blocos por hora em uma trajetória parabólica de aproximadamente 500 metros de extensão e 250 metros de altura. De tempos em tempos uma pedra caía, e os monges moviam a pedra caída para longe. Uma tarefa inacreditável. O Dr. Jarl sabia do transporte destas pedras. Outros experts tibetanos como Linaver, Spalding e Huc já falaram sobre isso, mas eles nunca tinham visto. Então Dr. Jarl foi o primeiro estrangeiro que teve a oportunidade de ver este espetáculo fantástico. Ele fez dois filmes sobre o experimento, porque achava que podia estar sendo vítima de uma psicose, mas os filmes mostraram exatamente aquilo que ele estava testemunhando.

A Sociedade Inglesa para a qual o Dr. Jarl estava trabalhando confiscou os dois filmes e os declarou altamente sigilosos. Eles não estarão disponíveis até 1990 (este prazo expirou há muito). Esta atitude é difícil de explicar, ou de entender.O fato de que os filmes foram imediatamente confiscados não é muito difícil de entender.Torna-se claro que os monges tibetanos estão totalmente a par das leis que governam a estrutura da matéria, que os cientistas do mundo ocidental da atualidade estão investigando.

Acha-se que as orações cantadas pelos monges não têm relação com a levitação. O segredo está no posicionamento geométrico dos instrumentos musicais em relação as pedras a serem levitadas, e o ajuste harmônico dos tambores e trumpetes. As ondas de som sendo geradas pela combinação eram direcionadas de certa forma que um efeito anti-gravitacional era criado no centro de foco, onde estavam as pedras, e na periferia ao redor, certa de um terço do círculo no qual as pedras se moviam.

Em alguns livros muito antigos, existia a descrição de máquinas voadoras que ao voar provocavam um som melodioso, e teorizavam que existia um propulsor sônico que emitia som em freqüências que ressonavam com as freqüências naturais da máquina.

Agora os tibetanos nos deram uma indicação direta de como construir uma máquina voadora com propulsão sônica anti-gravitacional. Tudo o que é necessário é completar o círculo de geradores sônicos, indicados pelos tambores e trumpetes, e nós teremos um disco que cria um força de levitação anti-gravitacional no centro.

Pelo visto, nosso conhecimento científico já está a frente deste tipo de pesquisa, e certamente muitos veículos experimentais já foram construídos. Geradores de alta freqüência provavelmente tomaram os lugares dos de baixa freqüência, e sistemas eletrônicos de controle das freqüências nos dariam controle da direção do movimento.

Com este tipo de pesquisa sendo feita, diria que os dias dos aviões convencionais estão contados.” 
holosgaia.blogspot.com

MONGE MATTHIEU RICARD

Seu nome é Matthieu Ricard, com 62 anos de idade, nascido em França, budista por convicção e o único entre centenas de voluntários num estudo científico ao cérebro que não só alcançou a máxima qualificação de felicidade
previstas pelos métodos científicos, como superou por
completo o "felizômetro".

Ele é um indivíduo que vive numa cela de dois por dois, num Mosteiro, não é dono de nenhuma empresa petrolífera de sucesso nem executivo de nenhuma das companhias da Fortune 500, não vive dependente do telefone ou telemóvel, não tem nenhum iate nem conduz um BMW ou Rolls Royce, não veste roupas de Armani nem Hugo Boss, desconhece o efeito do Prozac e do Viagra, não toma drogas como o “êxtasi” ou outras para ter extases, nem sequer toma uma Coca-Cola.

Em suma o homem mais feliz do planeta é um homem que prescinde de dinheiro, competição profissional, vida sexual, e popularidade. O paradoxo do caso não é o fato de ser um homem tão feliz e sim como chegou a sê-lo desprendendo-se de tudo aquilo que a maioria das pessoas faz para alcançar um pouco de ‘felicidade’, ou seja: posses, bens materiais, dinheiro, poder, etc...  Não, não é isso que Matthieu Ricard procurou e sim até desprezou.

No entanto, ele ainda fez doutoramento em genética molecular e trabalhou ao lado do prêmio Nobel da Medicina, Francois Jacob, além de ser filho de Jean François Revel, um famoso filósofo e membro emérito da Academia Francesa, recentemente falecido.

Com o mundo do sucesso à sua frente, e a ponto de converter-se num eminente cientista, Ricard escolheu outro caminho fortemente impressionado pela riqueza da filosofia oriental. Dedicou-se então à meditação, tornou-se discípulo do mestre tibetano Rinpoche, foi para o Himalaia, adoptou o caminho dos
monges, e iniciou uma nova vida partindo do zero

Hoje é um dos maiores estudiosos dos clássicos tibetanos, é assessor e braço direito do Dalai Lama e tem doado milhões de euros - produto da venda da publicação de seus livros - a mosteiros e obras de caridade, como por exemplo a construção de dezasseis clínicas e sete escolas, incluindo uma para oitocentas crianças.

Todo este trabalho foi realizado nos distritos desesperadamentepobres situados a grande altitude nos Himalaias. Para além disto, Matthieu Ricard foi responsável pela construção de orfanatos, programas para várias centenas de idosos e sete pontes.

O que faz verdadeiramente Matthieu Ricard ser um homem feliz e realizado, tal como outras grandes figuras do nosso tempo, cada uma sendo feliz do seu modo a praticar o bem neste Mundo onde o egoismo, o materialismo e o consumismo toma conta da alma humana prendendo-a cada vez mais ao grande Mundo de Ilusão (Maya).

Claro que ele, o mundo material existe, é real para todos nós que precisamos de labutar para sobreviver e desfrutar do melhor modo possivel as delícias desta vida que Deus nos deu para Viver, o problema é não o sabermos fazer como deviamos
e andamos sim mais preocupados para ter e não para Ser.

Tudo isso origina grandes ansiedades e lutas durante a vida que levam a uma enorme competição para conseguir coisas que nem sempre são as melhores, originando grandes desgastes ou dispêndios de energia (física mental e espiritual), levando a erros e desregramentos causadores de inúmeros sofrimentos. O resultado final nem sempre é o melhor e acaba quase sempre dum modo muito triste para a pessoa que parte cansada desta vida atribulada.

Por isso, todos beneficiariam dum modo de vida mais são e verdadeiro se não se apegassem tanto às coisas efêmeras duma vida sem sentido ou com muito dinheiro. Matthieu Ricard entendeu isso perfeitamente e seguiu noutra direcção, sentindo-se hoje o homem mais feliz do Mundo, nada tendo e tudo possuindo...

Nide enviou um texto semelhante

terça-feira, 19 de janeiro de 2010

EGRÉGORA

Egrégora provém do grego “egrégoroi” e designa a força gerada pelo somatório de energias físicas, emocionais e mentais de duas ou mais pessoas, quando se reúnem com qualquer finalidade. Todos os agrupamentos humanos possuem suas egrégoras características: todas as empresas, clubes, religiões, famílias, partidos, etc.

Egrégora é como um filho coletivo, produzido pela interação "genética" das diferentes pessoas envolvidas. Se não conhecermos o fenômeno, as egrégoras vão sendo criadas a esmo e os seus criadores tornam-se logo seus servos já que são induzidos a pensar e agir sempre na direção dos vetores que caracterizaram a criação dessas entidades gregárias. Serão tanto mais escravos quanto menos conscientes estiverem do processo. Se conhecermos sua existência e as leis naturais que as regem, tornamo-nos senhores dessas forças colossais.

Por axioma, um ser humano nunca vence a influência de uma egrégora caso se oponha frontalmente a ela. A razão é simples. Uma pessoa, por mais forte que seja, permanece uma só. A egrégora acumula a energia de várias, incluindo a dessa própria pessoa forte. Assim, quanto mais poderoso for o indivíduo, mais força estará emprestando à egrégora para que ela incorpore às dos demais e o domine.

A egrégora se realimenta das mesmas emoções que a criaram. Como ser vivo, não quer morrer e cobra o alimento aos seus genitores, induzindo-os a produzir, repetidamente, as mesmas emoções. Assim, a egrégora gerada por sentimentos de revolta e ódio, exige mais revolta e ódio. No caso dos partidos ou facções extremistas, por exemplo, são os intermináveis atentados. No das revoluções, freqüentemente, os primeiros líderes revolucionários a alcançar o poder passam de heróis a traidores. Terminam os seus dias exatamente como aqueles que acabaram de destronar (segundo Richelieu, ser ou não ser um traidor, é uma questão de datas).

A egrégora criada com intenções saudáveis, tende a induzir seus membros a continuar sendo saudáveis. A egrégora de felicidade, procura "obrigar" seus amos a permanecer sendo felizes. Dessa forma, vale aqui a questão: quem domina a quem? Conhecendo as leis naturais, você canaliza forças tremendas, como o curso de um rio, e as utiliza em seu benefício.
A única maneira de vencer a influência da egrégora é não se opor frontalmente a ela. Para tanto é preciso ter Iniciação, estudo e conhecimento suficiente sobre o fenômeno. Como sempre, as medidas preventivas são melhores do que as corretivas. Portanto, ao invés de querer mudar as características de uma determinada egrégora, o melhor é só gerar ou associar-se a egrégoras positivas. Nesse caso, sua vida passaria a fluir como uma embarcação a favor da correnteza. Isso é fácil de se conseguir. Se a egrégora é produzida por grupos de pessoas, basta você se aproximar e freqüentar as pessoas certas: gente feliz, descomplicada, saudável, de bom caráter, boa índole. Mas também com fibra, dinamismo e capacidade de realização; sem vícios nem mentiras, sem preguiça ou morbidez. O difícil é diagnosticar tais atributos antes de se relacionar com elas.

Uma vez obtido o grupo ideal, todas as egrégoras geradas ou nas quais você penetre, vão induzi-lo à saúde, ao sucesso, à harmonia e à felicidade.

Os antigos consideravam a egrégora um ser vivo, com força e vontade próprias, geradas a partir dos seus criadores ou alimentadores, porém independente de cada um deles. Para vencê-la ou modificá-la, seria necessário que todos os genitores ou mantenedores o quisessem e atuassem nesse sentido. Acontece que, como cada um individualmente está sob sua influência, praticamente nunca se consegue superá-la.

Se você ocupa uma posição de liderança na empresa, família, clube, etc., terá uma arma poderosa para corrigir o curso de uma egrégora. Poderá afastar os indivíduos mais fracos, mais influenciáveis pelos condicionamentos impostos pela egrégora e que oponham mais resistência às mudanças eventualmente propostas. É uma solução drástica, sempre dolorosa, mas às vezes imprescindível.

Se, entretanto, você não ocupa posição de liderança, o mais aconselhável é seguir o ditado da sabedoria popular: os incomodados que se mudem. Ou seja, saia da egrégora, afastando-se do grupo e de cada indivíduo pertencente a ele. Isso poderá não ser muito fácil, mas é a melhor solução.
Outro fator fundamental neste estudo é o da incompatibilidade entre egrégoras. Como todo ser humano está sujeito a conviver com a influência de algumas centenas de egrégoras, a arte de viver consiste em só manter no seu espaço vital egrégoras compatíveis. Sendo elas, forças grupais, um indivíduo será sempre o elo mais fraco. Se estiverem em dessintonia umas com as outras, geram um campo de força de repulsão e se você está no seu comprimento de onda, ao repelirem-se mutuamente, elas rasgam-no ao meio, energeticamente. Dilaceram suas energias, como se você estivesse sofrendo o suplício do esquartejamento, com um cavalo amarrado em cada braço e em cada perna, correndo em direções opostas.

Esse esquartejamento traduz-se por sintomas, tais como ansiedade, depressão, nervosismo, agitação, insatisfação ou solidão. Num nível mais agravado, surgem problemas na vida particular, familiar, afetiva, profissional e financeira, pois o indivíduo está disperso e não centrado. No grau seguinte, surgem neuroses, fobias, paranóias, psicopatologias diversas, que todos percebem, menos o mesclante. Finalmente, suas energias entram em colapso e surgem somatizações concretas de enfermidades físicas.

Isso tudo, sem mencionar o fato de que duas ou mais correntes de aperfeiçoamento pessoal, se atuarem simultaneamente sobre o mesmo indivíduo, podem romper seus chakras, já que cada qual induz movimento em velocidades, ritmos e até sentidos diferentes nos seus centros de força.

Com relação à compatibilidade, há algumas regras precisas, das quais pode ser mencionada aqui a seguinte: as egrégoras semelhantes são incompatíveis na razão direta da sua semelhança; as diferentes são compatíveis na razão direta da sua dessemelhança. Você imaginava o contrário, não é?

Todo o mundo se engana ao pensar que as semelhantes são compatíveis e ao tentar a coexistência de forças antagônicas, as quais terminam por destruir o estulto que o intentara.

Quer um exemplo da regra acima? Imagine que um homem normal tenha uma egrégora de família, uma de profissão, uma de religião, uma de partido político, uma de clube de futebol, uma de raça, uma de país e assim sucessivamente. Como são diferentes entre si, conseguem coexistir sem problemas. Aquele homem poderia ter qualquer profissão e qualquer partido político, torcer por qualquer clube e freqüentar qualquer igreja.

Agora imagine o outro caso. Esse mesmo homem resolve ter duas famílias, torcer para vários clubes de futebol, pertencer a partidos políticos de direita e de esquerda ao mesmo tempo, exercer a medicina e a advocacia simultaneamente e ser católico aos domingos, protestante às segundas e judeu aos sábados! Convenhamos que a pessoa em questão é psiquiatricamente desequilibrada. Não obstante, é o que muita gente faz quando se trata de seguir correntes de aperfeiçoamento interior: a maioria acha que não tem importância misturar aleatoriamente Yôga, tai-chi, rei-ki, macrobiótica, teosofia e quantas coisas mais se lhe cruzarem pela frente. Então, bom proveito na sua salada mista!

domingo, 17 de janeiro de 2010

MESTRE MEQUISEDEC MONARCA UNIVERSAL


A mais alta expressão nas escrituras Sagradas, e que, velada ou manifestamente, sempre esteve e estará a frente dos movimentos aceleradores da evolução humana. Há uma antiga tradição que afirma a existência de uma igreja secreta, cujo sacerdócio se revela de ciclo em cicio e de acordo com a necessidade da época. Traz ela um conhecimento próprio para cada raça ou povo por uma forma particular, mais favorável, mais acessível para o cumprimento e restabelecimento da Lei, do propósito Divino, através do Itinerário do 10 (marcha evolucional da Mõnada). A tal conhecimento, a tradição de todos os povos relaciona o Espirito de Verdade, como manifestação de um Centro Imperecível, consagrado pelos orientais sob os nomes de Agartha, Asgardhi, Erdemi, ou Salem. (Shamballah e a "Ilha imperecível que nenhum cataclismo pode destruir").

Todo ser iluminado, avataricamente ou por iniciação, desde que esteja de posse do conhecimento de certos mistérios, faz parte do Culto que tem o nome de Igreja de Melki-Tsedek, que esta acima de tôdas as manifestações religiosas. Tal culto sempre existiu, como ciência divina e a mais preciosa de tôdas as religiões, porque verdadeiramente torna a ligar o homem a Deus, sem necessidade de sacerdote nem de outro qualquer intermediário. "Busca dentro de ti mesmo o que procuras fora", e velha sentença oriental. E o próprio Jesus dizia: "Faze por ti que Eu te ajudarei".

Fraternidade Universal, Culto, Sacerdócio ou Igreja de Melki-Tsedek, sua origem procede dos meados da terceira raça mãe, a Lemuriana, que foi dirigida pelos planetas sagrados Venus e Marte, alegorizando mãe e filho respectivamen-te e que se objetivou sob a égide do planeta Mercúrio, representando o Pai, numa esposa em que a humanidade, que até então se manifestava no androginismo inconsciente das primeiras raças, começou a ser digna desse nome, ou melhor, dividiu-se em dois sexos, formando logo a seguir, nos seus meados, a Grande Hierarquia Oculta que, conhecendo a origem do mistério do androginismo, prepara a evolução da Mônada para o androginismo consciente com que terminara a presente Ronda.

Com o decorrer dos tempos recebeu tal culto o nome de Sudha-Dharma-Man-dalan, na antiga Aryavartha — nossa Mãe Índia — mas, para todos os efeitos, Excelsa Fraternidade, quer na razão de sua própria existência, por ser composta dos Verdadeiros Guias ou Instrutores Espirituais da Humanidade.

Durante a quarta raça mãe — a Atlante — que teve sob o signo de Saturno e Lua (verde e violeta), o Sacerdócio de Melki-Tsedek, que então era exercido na oitava cidade atlante — a Shamballah dos teósofos ou a Jerusalém Celeste dos verdadeiros cristãos — teve que enfrentar o magno problema da grande queda no sexo, ou seja, a "união entre os deuses e as filhas dos homens", fenômeno reconhecido pela Igreja por ser citado no Gênesis, diferindo apenas na tradição oriental o nome "devas" para o de "anjos" na tradição ocidental.

Sim, todas as tradições de valor no mundo se originaram de uma Fonte Única e imperecível, que foi expressa na linguagem hierática de todos os tempos por Aquela misteriosa Terra chamada Agartha (ou mesmo Shamballah). Os povos se ligam, de uma forma ou de outra, através de suas tradições. de seus símbolos, mitos e lendas, a este Centro, e a razão de conservarem a mesma unidade e que descendem de uma Fonte Única.

Na fase aurea dos ciclos evolutivos de cultura de cada povo, da própria Humanidade, ela se encontra sob os influxos e direção das essências radiosas desse Centro. As Ordens mistico-religiosas de valor humano foram representações na terra da simbologia agarthina ou de Salem. (Agartha traz o nome oculto de Belovedye, que quer dizer Bela Aurora, Eterna Luz etc. Um dos Cavaleiros da Tavola Redonda tinha tal nome). Agartha e o começo e o fim de todas as coisas. Quando caem as religiões, as filosofias, os sistemas sociais, quando se corrompem as estruturas outrora emanadas de, Agartha para o mundo humano... e a fase de decadência desse povo, dessa raça ou da própria humanidade.

Então, após um período de conflitos, choques e lutas, como ora esta acontecendo, novamente se manifesta o Espirito de Verdade. Donde a promessa de Krishna a Arjuna, no Bhagavad-Gita (literalmente: "0 Canto do Senhor"), um episódio do Mahabharata — o grande poema epico da India, da mais elevada filosofia espiritual — quando diz "Todas as vezes que Dharma (a Lei justa) declina, e Adharma (o contrario) se levanta, Eu me manifesto para salvação dos bons e destruição dos maus. Para o restabelecimento da Lei, Eu nasço em cada Yuga (isto e, em cada ciclo ou idade)". Antes, porem, que isso aconteça, através de certas Ordens Iniciaticas ou mesmo de caráter exoterico, aparecem os "Mensageiros do Senhor deste Mundo Eterno", quando não Ele mesmo, para renovar a face das coisas, descerrar novos horizontes que ate então estavam fechados pela ignorância, a incompreensão e a maldade dos homens.

Alguns dirigentes — os que realmente orientam os homens no sentido de sua verdadeira evolução — são representantes diretos ou indiretos desse Centro e cuja manifestação se processa através do Tulkuismo, fenômeno milenarmente conhecido das tradições orientais. Tais dirigentes são expressões do Rei do Mundo, o Monarca Universal, conhecido pelo nome de Melki-Tsedek e esotericamente com o nome de Rygden-Djyepo (palavra tibetana de origem agarthina, com o significado de "Rei dos Jivas" ou dos seres da Terra), tendo por Colunas: Polydorus Isurenos e Mama Sahib, personificações da Sabedoria e da Justiça. É Ele o verdadeiro Ministro do Eterno organizador das instituições e constituições humanas, de todas as civilizações. É o Senhor Supremo das Ordens Secretas de âmbito divino na face da Terra.

Melki-Tsedek é o espírito de toda a evolução em nosso globo. É o sentido da própria Lei, das Verdades ou da Ideação Divina posta por Ele em atividade através dos aspectos de Transformação, Superação e Metástase Avatárica. Dai ser a "manifestação" Ideoplastica do Homem Cósmico, isto e, "sem pai, nem mãe, sem genealogia, que não tem principio de dias, nem, fim de vida" (Heb. 7-III). Por que não dizer que é Ele o Pai-Mãe de todas as coisas, o Senhor do Segundo Trono ou do Akasha, o Adam-Kadmon — o Homem Cósmico, o Logos ou o Verbo manifestado na Terra? Por acaso Devavani (Voz Divina)... não é tambem um de seus nomes

Representa a Sabedoria e a Justiça Divina — como tal, Monarca Universal, "Rei de Salem (ou da Agartha) e Sacerdote do Deus Altíssimo". Como Senhor do Verbo ou da Palavra Perdida. . . Dele emanam as verdades cíclicas, nas expressões dos Avataras, Budas, Bodhi-satwas, Manus etc. Dai ser Ele o Bija dos Avataras, a "Arvore dos Kumaras no segundo Trono", a semente de todos os salvadores ou redentores que o mundo conheceu ou virá a conhecer. Tudo e Dele e está Nele. 0 nome Melki-Tsedek refere-se ao mesmo Rei do Mundo, figurando também na tradição judaico-cristã. 0 Sacrifício de Melki-Tsedek (o pão e o vinho etc.) deve ser olhado como uma prefiguração da Eucaristia. E o próprio sacerdócio cristão se identifica, em principio, ao culto de Melki-Tsedek, conforme palavras do Salmo 110-4 ao Cristo:

Tu es sacerdos in aeternum secundum Ordinem Melquisedec
Tu és sacerdote eterno segundo a Ordem Melquisedec"


Melki-Tsedek, Rei de Salem, Sacerdote do Altíssimo, contemporâneo de Abraão, Rei da Justiça e da Paz (Sao Paulo, Epistola aos Hebreus, VII, 1-2). É uma das Entidades mais sublimes e elevadas da Hierarquia dos Planos Superiores. "Feito semelhante ao Filho de Deus, não teve genealogia, sem pai e sem mãe" (Hebreus, VII, 3), foi auto-criado, uma possante Manifestação do Pensamento de Deus na Terra, ou antes, foi a Antropomorfização da própria Lei, embora não seja Deus. Não nasceu "segundo o mandamento da carne, mas segundo a virtude da vida imortal (Hebreus, VII, 26). É uma elevadíssima Entidade, oriunda de desconhecidos sistemas solares, com biliões e biliões de anos de existência e de experiências, Melki-Tsedek foi, na Terra, um produto da geração espontânea. É uma esplendorosa Consciência Cósmica. Tão grande e elevada a sua evolução e perfeição moral, espiritual e intelectual que o próprio Cristo, o Mestre dos Mestres, esteve filiado a sua Ordem, como Supremo Sacerdote e Pontífice, segundo se lê na Epistola de São Paulo aos Hebreus, capítulos seis e sete.

Melki-Tsedek, "rei de Salem e Sacerdote do Altissimo", tambem chamado de Rei do Mundo por possuir os dois poderes: o temporal, como Rei e o espiritual como Sacerdote. Nas varias tradições religiosas do mundo, Ele é apontado com muitos outros nomes: no Tibete, como Akdorge, do mesmo modo que na India; enquanto que na Mongólia exterior e chamado Senhor de Erdemi. Mas, na verdade esotérica, chamemo-la de Teosofia, tem o nome de "Bija ou Semente dos Avataras", razão pela qual o próprio Jesus Ihe prestava homenagens e Abraão Ihe pagou dízimos (como impostos cármicos da Lei), prova de que tanto Jesus, como Abraão e Moises d'Ele se "derivavam".

É Melki-Tsedek, conjuntamente com o grande e sublime Jesus e os Mestres Moria, Koot-Humi e Maitreia, o futuro Instrutor da era de Aquario — quem sutilmente dirige e orienta toda a evolução do globo terrestre e os grandes movimentos po-liticos, sociais, econômicos, culturais, científicos, religiosos, artísticos e meta-físicos do Planeta. Melki-Tsedek é o grande Rei do Governo Oculto e Espiritual do nosso Mundo e o Espirito Santo o seu Embaixador de Luz no Plano profano dos vivos assim como Deus é o de todo o Universo".Melki-Tsedek é então rei e sacerdote e, conjuntamente, o seu nome significa "rel de justiça", sendo ele ao mesmo tempo Rei de Salem, isto é, da "Paz". Ora, "Justica" e "Paz" são precisamente os dois atributos fundamentais do "Rei do Mundo". Devemos salientar que a palavra Salem, contrariamente ao que possa parecer, nunca designou em realidade uma cidade, mas que, tomada pelo nome simbólico da região onde residia ou reside Melki-Tsedek, pode ser equivalente do termo "Agartha"

Agartha é o celeiro das civilizações passadas, lugar composto de sete cidades, cada uma delas representando uma raça, uma civilização passada, um estado de consciência já vencido pela Monada. Homens de imenso valor em matéria de Sabedoria e santidade, acompanham, debaixo, os mais evoluidos da Terra, porém... de comum acôrdo com os Guias da Face da Terra.

Agartha, Arca ou Barca é o lugar "para onde o Manu Noé conduziu seu Povo ou Família, e os casais de animais a que se refere a própria Bíblia, porém, com a interpretação errônea de que o termo "família" fosse apenas dos seus parentes. Noé, lido anagramaticamente, dá o Éon grego, que tem como significado: "A manifestação da Divindade na Terra", nesse caso, um Manu, um Avatar, etc."Nas passagens dos ciclos em que se divide a vida humana, ocorrem os "dilúvios" ou que outro nome se queira dar as catástrofes que se incumbem de destruir os lugares impróprios a evolução dos seres da Terra. Chama-se de "castigo" também, por se tratar de lugares onde a materia tamasica (vermelha) tornou-se mais pesada e que indica a decadência de uma civilização.

Ainda sobre os chamados "dilúvios", a Lemuria, como terceiro continente (e raça) foi destruída pelo Fogo. Tôdas as ilhas do Pacifico, por exemplo, são os seus remanescentes. A Atlântida, como quarto continente, foi destruída pela Água. Parte da Europa (Península Ibérica etc.) e América, que se ligava, por exemplo, a África, pelo leste, são os seus remanescentes. Cada raça desenvolve um sentido, do mesmo modo que um estado de consciência

As tradições, tanto do Oriente como do Ocidente, estão repletas de "promessas"; os ciclos, as idades se passaram, e jamais elas deixaram de ser cumpridas. Estamos em vésperas de "Manifestação do Avatar sob o signo de Aquário". O de Jesus foi o de "Piscis". É quando os Manus, por sua vez, grandes ou pequenos, conduzem seu povo à Terra (por Lei) prometida. 0 Manu, o portador do Verbo Solar, por ser a sua própria manifestação na Terra.

Melchizedek não é o nome de um indivíduo que viveu na Terra, como muitos podem presumir. Ele é o nome do sacerdócio cósmico que existe por todas as dimensões, em todo planeta sagrado.

Em dias antigos, templos de Melchizedek eram fixados com a finalidade de se dedicar aos ensinamentos iniciáticos espirituais e para ajudar os irmãos e irmãs na sua liberdade. Encontramos o Sacerdócio de Melchizedek sob muitas formas.

Todos os Mestres Ascensos e Gurus pertencem à Ordem de Melchizedek. Não importa que ideologia ou religião, todo santo, sábio, guru e mestre tem que passar pelas iniciações de Melchizedek, que pode ser em um templo ou nos planos internos. Até mesmo hoje, muitos sacerdócios secretos continuam e mantêm as leis cósmicas, para a sua própria visão interna e seu propósito sagrado.O poder de Melchizedek permanece nos retiros etéricos e nas cidades subterrâneas, nutrido e guardado até o tempo em que os templos exteriores possam ser restabelecidos novamente.

O tempo para que a Ordem de Melchizedek reapareça é AGORA! Quando cada um de nós reconhece sua missão e reforma seu poder pessoal, isto se torna uma realidade que irá tocar todo canto do Globo, alcançando todos os aspectos da sociedade planetária. Os que servem a Melchizedek serão um bálsamo curativo a toda humanidade. Se nós procurarmos em nossos corações, será fácil lembrar da vida na qual servimos nos templos das grandes civilizações ( agora passadas ), vida esta dedicada a alcançar o potencial humano de se transformar de Humano em Divino.

DIALÓGO ENTRE O TEÓLOGO LEONARDO BOFF E DALAI LAMA

Leonardo Boff explica

"No intervalo de uma mesa-redonda sobre religião e paz entre os povos, na qual ambos participávamos, eu, maliciosamente, mas também com interesse teológico,
lhe perguntei em meu inglês capenga:  - "Santidade, qual é a melhor religião?"

Esperava que ele dissesse: "É o budismo tibetano" . "São as religiões orientais,
muito mais antigas do que o cristianismo."

O Dalai Lama fez uma pequena pausa, deu um sorriso, me olhou bem nos olhos
- o que me desconcertou um pouco, por que eu sabia da malícia contida na pergunta -
e afirmou:  "A melhor religião é a que mais te aproxima de Deus. É aquela que te faz melhor."

Para sair da perplexidade diante de tão sábia resposta, voltei a perguntar:- "O que me faz melhor?"

Respondeu ele: - "Aquilo que te faz mais compassivo e aí senti a ressonância tibetana, budista, taoísta de sua resposta, aquilo que te faz mais sensível, mais desapegado, mais amoroso, mais humanitário, mais responsável... A religião que conseguir fazer isso de ti é a melhor religião..."

Calei, maravilhado, e até os dias de hoje estou ruminando sua resposta sábia e irrefutável

buscaespiritual.zip.net