sexta-feira, 26 de novembro de 2010

VIA LÁCTEA

GOOGLE IMAGENS

LUZ MAIS ANTIGA DO UNIVERSO

Pesquisadores trabalhando com o telescópio europeu Planck, o maior experimento de cosmologia em quase uma década, divulgaram  seu primeiro mapa celeste completo da radiação cósmica de fundo, a "luz mais antiga" do Universo.

O telescópio de 600 milhões de euros, que capta radiação com frequências abaixo do infravermelho [não visível], foi lançado no ano passado e levou seis meses para montar o primeiro mapa.

A imagem mostra a Via Láctea como uma linha brilhante atravessando horizontalmente todo o centro do mapa. Acima e abaixo dessa linha, podem ser vistas grandes quantidades de pontos amarelos. Esses pontos, tanto na Via Láctea, quanto acima e abaixo dela, representam gás e poeira cósmicas. Não são estrelas, pois o telescópio não registra luz visível.

Grande parte dessa radiação, acreditam os cientistas, originou-se 380 mil anos após o "Big Bang", quando a matéria havia se resfriado o suficiente para que a formação de átomos fosse possível.

Antes disso, o cosmos seria tão quente que matéria e radiação estariam acopladas, e o Universo seria opaco.

Um dos principais objetivos do projeto é encontrar evidências para a "inflação", a expansão do incipiente Universo a velocidades acima da velocidade da luz.

Segundo a teoria, se essa "inflação" ocorreu, ela deveria estar registrada na radiação cósmica de fundo e seria passível de detecção.

O telescópio Planck é uma das principais missões da ESA [agência espacial europeia, na sua sigla em inglês]. Lançado em 2009, encontra-se a mais de um milhão de quilômetros da Terra.

Ele carrega dois instrumentos para registrar o céu em nove bandas de frequência. O instrumento de alta frequência opera entre 100 e 857 GHz; o instrumento de baixa frequência opera entre 30 e 70 GHz.  Até 2012, o aparelho terá construído quatro mapas do Universo.

BBC News
New Scientist
Jornal Folha de São Paulo