segunda-feira, 29 de julho de 2019

ÚLTIMAS MENSAGENS POSTADAS 30 07 2019

NEBULOSA DA CHAMA
Iluminada por uma estrela com 20 vezes a massa do Sol

Por favor, clicar nos links abaixo:



NIKOLA TESLA CÓDIGO 369 NUMERO ÁUREO

NIKOLA TESLA CÓDIGO 369 LEI UNIVERSAL DOS NÚMEROS

NIKOLA TESLA TEORIA DINÂMICA DA GRAVIDADE

EEPAK CHOPRA VOCÊ ENERGIZA TUDO QUE DÁ ATENÇÃO

GREGG BRADEN/WALLACE LIMAS CÉLULA E ALMA

GREGG BRADEN THE GOD CODE

PARTÍCULA ANJO É A SUA PRÓPRIA ANTIPARTÍCULA

Matéria + Antimatéria = Energia. Ao colidir uma partícula de matéria com a sua antimatéria ambas se
transformam em energia pura, proporcional à massa consumida, gerando energia segundo E=mc².

Toda partícula fundamental no universo possui uma antipartícula, que tem a mesma massa, mas carga oposta. Se uma partícula encontra sua antipartícula, as duas se aniquilam em um flash de energia.

Desde 1937, no entanto, os cientistas acreditam que existe exceções a essa regra: certas partículas que são suas próprias antipartículas.

Agora, pesquisadores da Universidade de Stanford e da Universidade da Califórnia, ambas nos EUA, encontraram a primeira evidência forte para esse tipo de partícula, que eles nomearam de “partícula anjo”.

O físico Ettore Majorana foi o primeiro a destacar uma lacuna na família de partículas dos férmions. Prótons, elétrons, nêutrons, neutrinos e quarks são todos férmions, e todos têm antipartículas correspondentes.

De acordo com os cálculos de Majorana, contudo, devem haver partículas que sejam suas próprias antipartículas.

Como eles não têm carga, nêutrons e neutrinos se mostraram os melhores candidatos para serem estes férmions de Majorana. Desde então, antinêutrons foram descobertos. Ainda há um grande ponto de interrogação sobre os neutrinos, mas a dificuldade dos experimentos científicos significa que uma resposta ainda está a mais de uma década de distância.

 Enquanto isso, a maneira mais provável de encontrar férmions de Majorana é estudando “quasipartículas” (ou quase-partículas). Como o nome sugere, não são partículas muito naturais, mas surgem do comportamento coletivo dos elétrons. Elas funcionam mais ou menos como bolhas em uma bebida: as bolhas também surgem do “comportamento coletivo” dos produtos químicos na bebida e, embora não sejam objetos realmente independentes, possuem propriedades
    
As quase-partículas podem não ocorrer fora de condições muito específicas, mas podem ser consideradas férmions de Majorana se exibirem todas as propriedades corretas.

“Nossa equipe previu exatamente onde encontrar [o férmion de Majorana] e o que procurar”, disse Shoucheng Zhang, um dos principais autores do estudo. “Esta descoberta conclui uma das pesquisas mais intensivas em física fundamental, que durou exatamente 80 anos”.

Para que essas quasipartículas peculiares se mostrassem, a equipe cuidadosamente construiu sua “bebida” específica, composta de filmes finos de dois materiais quânticos. O resultado final se mostrou um isolador topológico supercondutor, que permitiu que os elétrons se movessem rapidamente ao longo das bordas da superfície do material, mas não pelo meio. Adicionando uma pitada de material magnético na mistura, os elétrons fluíram em uma direção ao longo de uma borda, e na direção oposta ao longo da outra.

Os pesquisadores então colocaram um ímã sobre o material, o que fez com que todos os elétrons diminuíssem a velocidade, parassem e alternassem a direção.

A inversão aconteceu em um movimento brusco e escalonado. As quasipartículas começaram a emergir do material em pares, viajando pelo mesmo caminho que os elétrons, mas houve uma diferença fundamental: quando pararam e mudaram de direção, fizeram isso exatamente na metade do caminho que os elétrons fizeram.

Isso é porque cada quasipartícula é essencialmente apenas metade de uma partícula, uma vez que uma de cada par é perdida ao longo do caminho. E esse fenômeno era exatamente a evidência que a equipe estava procurando.


A longo prazo, os férmions de Majorana poderiam ter uma aplicação prática na segurança de computadores quânticos.

A pesquisa foi publicada na prestigiosa revista científica Science. 

COSMO TÚNEL DO TEMPO


O mundo funciona com base do tempo . No entanto, pergunte a um físico que horas são e a resposta pode afetá-lo: eles não têm ideia. 

Ainda mais surpreendente é que o profundo significado que temos do tempo, que passa do presente para o passado, poderia ser nada mais que uma ilusão. 

Como é possível que nossa compreensão de algo tão familiar seja tão errada? 

Em busca de respostas, Brian Greene nos leva em uma fantástica jornada através do tempo, cinquenta anos no futuro, antes de entrar em um buraco de minhoca que nos levará ao passado. Ao longo do caminho, ele revelará uma nova maneira de pensar sobre o tempo em que momentos passados, presentes e futuros - do reino do tiranossauro ao nascimento de nossos tataranetos - existem todos ao mesmo tempo. 

Esta viagem nos levará ao Big Bang, onde os físicos acham que os maiores segredos do tempo poderiam estar escondidos. Você nunca mais verá seu relógio de pulso da mesma maneira.

FÍSICOS MEDEM O VÁCUO PELA PRIMEIRA VEZ

A física é o campo da ciência que estuda as propriedades da matéria e da energia – ou seja, tudo que existe, e tudo, nesse caso, inclui até mesmo o nada. O vazio não é realmente vazio de acordo com as leis da física quântica. O vácuo, no qual classicamente supõe-se que não haja literalmente “nada”, está repleto de coisas chamadas flutuações do vácuo – pequenas alterações de um campo eletromagnético, por exemplo, que geralmente chegam a zero com o tempo, mas podem se desviar disso por um breve momento.

Para alguns físicos, medir o espectro de pequenas ondas que compõem o espaço vazio que chamamos de vácuo é uma meta há décadas, mas até agora não havia uma boa maneira de fazer isso. Isso mudou nesta semana, quando físicos da ETH Zurich usaram habilmente pulsos de laser para entender a natureza quântica de um vácuo, estabelecendo um marco nas tentativas de medir o nada absoluto.
“As flutuações do campo eletromagnético no vácuo têm consequências claramente visíveis e, entre outras coisas, são responsáveis pelo fato de que um átomo pode emitir luz espontaneamente”, explica Ileana-Cristina Benea-Chelmus, física do Instituto de Eletrônica Quântica da ETH Zurich, em entrevista ao site da instituição

Nosso Universo é uma tela cheia de espaços vazios. Há uma textura nessa realidade nua que só podemos detectar. Mas este espaço, que geralmente consideramos completamente ausente de matéria e radiação, é um campo infinito de possibilidades do qual emergem algumas partículas. Existe um campo para cada partícula elementar, apenas esperando por energia suficiente para definir as principais características de sua existência.

Essas partículas são todas limitadas por uma regra estranha – à medida que algumas possibilidades aumentam, outras têm que encolher. Uma partícula pode estar em um local preciso, por exemplo, mas terá um momentum muito vago, ou vice-versa. Este princípio de incerteza não se aplica apenas às partículas, mas também ao próprio campo vago.

Durante um período prolongado de tempo, a quantidade de energia em um volume de espaço vazio é em média zero. Mas em determinados momentos não sabemos quanta energia será encontrada nestes espaços, o que resulta em um espectro de probabilidades.


Embora pareça aleatória, há correlações que podem nos dar informações sobre a natureza dessa ondulação. Para medir a maioria das coisas, os pesquisadores precisam estabelecer um ponto de partida. Infelizmente, isso é difícil de fazer com algo que já está em seu estado mais baixo de energia. 
“É um pouco como medir a força de um soco a partir de um punho sem movimento”, compara matéria do portal Science Alert. “Os detectores tradicionais de luz, como os fotodiodos, baseiam-se no princípio de que as partículas de luz – e, portanto, a energia – são absorvidas pelo detector. No entanto, a partir do vácuo, que representa o menor estado de energia de um sistema físico, nenhuma energia adicional pode ser extraída”, explica Benea-Chelmus.
Então, em vez de medir a transferência de energia de um campo vazio, a equipe planejou uma maneira de procurar a assinatura de suas sutis mudanças de probabilidade na polarização dos fótons. 
Ao comparar dois pulsos de laser de apenas um trilionésimo de segundo de comprimento, enviados através de um cristal super-frio em diferentes momentos e locais, a equipe pôde descobrir como o espaço vazio entre os átomos do cristal afetava a luz.
“Ainda assim, o sinal medido é absolutamente pequeno, e nós realmente tivemos que maximizar nossa capacidade experimental de medir campos muito pequenos”, diz o físico Jérôme Faist ao site do ETH Zurich.

Essa oscilação quântica era tão pequena que eles precisaram de até um trilhão de observações para cada comparação, apenas para ter certeza de que as medições eram legítimas. Essas medições minúsculas permitiram que eles determinassem o fino espectro de um campo eletromagnético em seu estado fundamental.

Controlar o que é efetivamente espaço vazio está se tornando um grande negócio na física quântica. Recentemente, outra equipe de físicos tentou colocar limites no ruído do vácuo à temperatura ambiente, a fim de melhorar a funcionalidade do detector de ondas gravitacionais LIGO.

Partículas virtuais – breves fantasmas de possíveis partículas que mal existem como incertezas em um campo – também são fundamentais para entender como os buracos negros se evaporam lentamente com o passar do tempo através da radiação de Hawking. 
Segundo a matéria do ETH Zurich, os pesquisadores esperam que no futuro eles possam medir ainda mais os casos exóticos de flutuações de vácuo usando este método. “Na presença de fortes interações entre fótons e matéria, que podem ser alcançadas, por exemplo, dentro de cavidades ópticas, de acordo com cálculos teóricos, o vácuo deve ser preenchido com uma multiplicidade de chamados fótons virtuais. O método desenvolvido por Faist e seus colaboradores deve possibilitar o teste dessas previsões teóricas”, diz o texto. 

HERSCHEL EMBRYO STAR


Herschel, RCW 120 é surpreendente, vista nesta imagem é uma grande bolha galáctica. Qual o tamanho? Pelo menos oito vezes a massado sol. Entorno desta grande bolha, é uma estrela embrionária aninhada no shell. Destinada a se transformar em uma das estrelas mais brilhantes da Galaxy.

A bolha Galactic é conhecida como RCW 120. Fica a cerca de 4300 anos-luz de distância e foi formada por uma estrela em seu centro. A estrela não é visível nestes comprimentos de onda infravermelhos, mas empurra a poeira circundante e gás, com nada mais do que o poder da luz das suas estrelas. A estrela existe há 2,5 milhões de anos. A densidade da matéria na parede da bolha é tanto que aquantidade aprisionada não pode expandir para formar novas estrelas.

O nó luminoso para a direita da base da bolha é uma grande estrela embrionária em formação desencadeada pela potência da estrela central Herschels, observações mostraram que ele já contém entre 8-10 vezes a massa de nosso sol. A estrela poderá ficar maior, pois é cercada por uma nuvem contendo um 2000 massas solares adicionais.

As maiores estrelas da Galaxy não excedem 150 massas solares. O que impede que a matéria caia sobre a estrela é um quebra-cabeçapara os astrônomos modernos. Segundo a teoria, as estrelas são formadas em cerca de 8 massas solares. Essa massa deve tornar-se tão quentes que brilhará intensamente em comprimentos de onda ultravioleta.

Esta luz deve alcançar a distância que a estrela central fez para formar essa bolha. Mas é evidente que, por vezes esse limite é excedido, de outra forma não haveria estrelas gigantes na Galaxy. Os astrônomos gostariam de saber como algumas estrelas podem parecem desafiar a física por ser tão grande. É este embrião estelar recém-descoberto destinado a se transformar em um monstro estelar? No momento, ninguém sabe, mas uma análise mais aprofundada desta imagem Herschel poderia nos dar pistas valiosas.

Créditos: ESA / PACS / SPIRE / HOBYS 
Consórcios (imagens), Michael Eugene Adams (animação)

CONSTELAÇÃO DE ÓRION VENTO VIOLENTO EM TORNO DO PROTOSTAR

Orion A, uma nebulosa de formação estelar situada a cerca de 1500 anos-luz da Terra, como vista pelo Observatório Espacial Herschel da ESA.

Orion A está localizado dentro da espada de Orion abaixo das três estrelas principais que formam o cinturão da constelação de Orion.

Incorporado no ambiente gasoso e empoeirado dessa nuvem molecular está o berçário estelar prolífico chamado OMC2 FIR4 (realçado com um círculo vermelho).

Os astrônomos que estudam o OMC2 FIR4 com o Herschel descobriram que pelo menos uma das estrelas embrionárias que estão tomando forma neste casulo protoestelar está soprando um poderoso vento de partículas muito energéticas.

A inserção mostra uma ilustração do vento soprado por essa estrela recém-nascida. Quando as partículas energéticas atingem o material circundante, elas podem colidir com os átomos que estão presentes no ambiente da estrela, separá-los e produzir novos elementos.

Nosso Sol provavelmente soprou um vento similar de partículas em seus primeiros dias; isso poderia explicar a origem de um intrigante isótopo de berílio, cujos traços são encontrados em meteoritos.

Herschel Space Observatory - Caltec

NEBULOSA PELICANO

Nebulosa Pelicano (também conhecido como IC5070 e IC5067) é uma região HII associada com a nebulosa América do Norte, na direção da constelação de Cygnus. As contorções gasosas desta nebulosa de emissão suportar uma semelhança a um pelicano, dando origem ao seu nome. A nebulosa Pelicano está localizada nas proximidades da primeira estrela Deneb e subdivide-se de seu vizinho mais proeminente, a nebulosa América do Norte, por uma nuvem molecular, cheia de poeira escura.;

O pelicano é muito estudado porque tem uma mistura particularmente ativa de formação estelar e evolução de nuvens de gás. A luz de estrelas jovens enérgicas é lentamente transformando o gás frio para quente e causando uma frente de ionização gradualmente avançar para o exterior. Particularmente densos filamentos de gás frio são vistos ainda permanecer, e entre estes são encontrados dois jatos emitidos a partir do Herbig–Haro objeto 555. Milhões de anos a partir de agora esta nebulosa já não pode ser conhecida como o pelicano, como o equilíbrio e o posicionamento de estrelas e gás vão deixar algo que aparece completamente diferente.

cienciasemcensura.blogspot.com

ESTRELA DE HIPERVELOCIDADE FOI EJETADA DO DISCO DA VIA LÁCTEA

Uma nova pesquisa da Universidade de Michigan (EUA) afirmou que uma estrela de movimento rápido – também chamada de estrela de hipervelocidade – pode ter sido ejetada do disco estelar da Via Láctea.


Anteriormente, os astrônomos acreditavam que tais estrelas só poderiam ter sido ejetadas do centro da galáxia, após passar perto do buraco negro supermassivo no coração da Via Láctea.

Esta pode ter sido lançada em velocidade por um agrupamento de estrelas massivas jovens ou por um buraco negro de massa intermediária.

“Esta descoberta muda drasticamente a nossa visão sobre a origem das estrelas que se movem rapidamente”, disse Monica Valluri, do Departamento de Astronomia da Universidade de Michigan. “O fato de que a trajetória dessa estrela maciça se origina no disco e não no centro da galáxia indica que os ambientes muito extremos necessários para ejetar estrelas hipervelozes podem surgir em outros lugares que não em buracos negros supermassivos”.

Estrelas de hipervelocidade
A Via Láctea contém dezenas de bilhões de estrelas, a maioria das quais são distribuídas em uma estrutura semelhante a uma pizza chamada disco estelar.

Em 2005, os astrônomos descobriram estrelas hipervelozes, objetos que se movem duas vezes mais rápido que a maioria das outras – cerca de 500 quilômetros por segundo, enquanto estrelas se movem em média a pouco mais de 200 km/seg.

Menos de 30 dessas estrelas extremamente rápidas foram descobertas até agora. Os astrônomos teorizavam que, para produzir este tipo de velocidade, estrelas binárias precisariam passar muito perto de um buraco negro supermassivo – uma seria capturada, e a outra lançada em um “estilingue gravitacional”.

Como há evidências de que há um buraco supermassivo no centro da Via Láctea, muitos cientistas creem que a maioria das estrelas de hipervelocidade foi ejetada desse ponto.

Sistema binário hiperveloz não pode ser explicado pelas leis da física

Valluri e seu colega de pós-doutorado Kohei Hattori decidiram estudar a trajetória de LAMOST-HVS1, uma enorme estrela em movimento rápido que está mais próxima do sol do que qualquer outra já descoberta, para identificar de onde foi ejetada.

Para isso, utilizaram dados do Telescópio Gigante de Magalhães, no Chile, e da Missão Espacial Gaia, da Agência Espacial Europeia.

Com a localização e a velocidade atuais da estrela, os astrônomos conseguiram rastrear seu caminho, ou órbita. Para sua surpresa, parece que a estrela foi ejetada do disco estelar, e não do centro da Via Láctea.

Os pesquisadores ponderam que a ejeção dessa estrela massiva do disco estelar pode ser o resultado de um encontro próximo com um aglomerado estelar ou um buraco negro de massa intermediária em um aglomerado estelar.


Os cientistas conhecem estrelas “fugitivas” que foram ejetadas de aglomerados estelares, com velocidade de 40 a 100 km/s. No entanto, nenhuma foi observada com a extrema velocidade de ejeção necessária para explicar a LAMOST -HVS1.

Modelos teóricos de colisões com aglomerados estelares produzem muito raramente velocidades tão extremas, o que sugere uma possibilidade mais exótica: um buraco negro de massa intermediária.

O caminho computado da estrela se origina em um local no braço espiral Norma que não está associado a aglomerados estelares maciços previamente conhecidos. No entanto, se esse aglomerado estelar hipotético existir, ele pode estar oculto atrás da poeira no disco estelar.

Se for encontrado, proporcionará a primeira oportunidade de descobrir diretamente um buraco negro de massa intermediária na Via Láctea.

O fato de que esta estrela pode ter sido ejetada de um aglomerado massivo no disco estelar sugere a possibilidade de que muitas outras estrelas hipervelozes existam.

Tanto a Via Láctea quanto a Grande Nuvem de Magalhães são conhecidas por terem aglomerados estelares massivos que podem ser importantes ejetores dessas estrelas de movimento rápido.

Isso também pode levar a novas descobertas sobre as interações das estrelas e a possível formação de buracos negros de massa intermediária em aglomerados estelares.

Um artigo sobre a pesquisa foi publicado na revista científica Astrophysical Journal. [Phys]

TORUS HARMONIOSO FLUIR DA ENERGIA DIVINA

A Natureza parece contar com um padrão de núcleo recorrente para a evolução da vida em todas as escalas – o TORUS. É o  padrão encontrado na natureza e que existe em todos os lugares desde átomos a  galáxias. Pode ser observado numa semente, numa fruta, num furacão, mesmo no campo eletromagnético que rodeia o homem  e a  terra. É como a vida se sustenta e evolui, e serve como um modelo universal para a sustentabilidade em todos os nossos sistemas.

Entre outras coisas, o torus mostra-nos como aceder a energia limpa e abundante,  assim como expandir a nossa consciência, restaurar a saúde e equilíbrio da vida no nosso planeta.

O Torus, ou o padrão primário, é uma energia dinâmica que se parece com um donut  – é uma superfície contínua com um buraco no meio. A energia flui através de uma das extremidades, circula em torno do centro e sai pela outra extremidade.

O conhecimento de padrões de tecnologias de alimentação limpa como o ventilador e hélice, já está avançado, são chamados de dispositivos de “energia nova”  e nos ajuda a compreender melhor a natureza do “campo unificado”.

“Olhando para trás em quase meio século de pesquisa, incluindo milhares de livros, filmes, entrevistas com especialistas de diversas áreas, se eu tivesse que escolher um denominador comum a todas as facetas da minha busca, seria o torus, a energia fundamental padrão que convida o nosso alinhamento em todos os níveis da nossa existência por nós para sobreviver e prosperar. ” – Foster Gamble

Para os celtas, o fluxo da vida, o movimento do Universo e os ciclos eram representados pela Árvore da Vida Celta, na qual as raízes mais inferiores se ligam a seus galhos mais superiores, resultando nitidamente na forma do fluxo Torus, tendo também relação com o preceito hermético: “O que está em cima é como o que está embaixo, e o que está embaixo é como o que está em cima”.

Povos ancestrais como os sumérios e os egípcios, entre outros, conheciam um símbolo muito antigo chamado de Semente da Vida, o qual é composto por sete círculos interconectados. Esse símbolo é conhecido como padrão da gênesis, e simboliza para muitas culturas a criação e a própria unidade formadora do universo, pois as células dos seres vivos se desenvolvem tendendo a este padrão. 

Um aspecto interessante de se notar é que quando a semente da vida é rotacionada, suas linhas formam as linhas de um vórtice, que quando observado de cima é o próprio fluxo Torus visto em duas dimensões. Quando substituímos os círculos da semente da vida por esferas temos o fluxo Torus em três dimensões. Portanto, pode se levar em conta que o fluxo Torus esta implícito no código gerador da vida, a Semente da vida.
 Um outro aspecto interessante é o símbolo do infinito representado por muitas culturas como um 8 deitado. Este signo é a pura representação em duas dimensões do fluxo Torus visto de perfil, ou seja, é a representação simplificada do fluxo natural. Se o símbolo do infinito for elevado para três dimensões, novamente temos o fluxo Torus completo.

Nos dias de hoje, com o advento e avanço da mecânica quântica, temos a teoria do Campo Unificado, um campo inteligente e consciente que une tudo e todos. A possível estrutura subjacente a este campo é a notável forma geométrica conhecida como Vector Equilibrium, que por possuir todos os seus vetores com o mesmo tamanho e relação angular, é a única forma que proporciona um equilíbrio vetorial absoluto e, portanto, é a forma mais natural para que o equilíbrio do Universo se perpetue como é. Um fato interessante a respeito do Vector Equilibrium é que ele surge naturalmente a partir da Semente da Vida, de forma que o fluxo Torus, a geometria do Vector Equilibrium e da Semente da Vida estão intimamente ligadas, sendo representações do fluxo, da estrutura e do código do Universo, respectivamente.

Para que o Campo Unificado se estabilize tal como foi proposto, e una tudo e todos, matéria e antimatéria, bem como todas as formas de energia, de manifestação e de potencial, ele necessariamente tem que ser um campo de retroalimentação para que o equilíbrio e a harmonia sejam mantidos. Como podemos observar, a Natureza segue um padrão, e esse padrão é repetido nas escalas do micro, médio e macrocosmos.

Levando em conta a regularidade dos padrões da natureza, as informações étnicas e ancestrais e a especificidade da física vetorial aplicada às teorias da mecânica quântica, pode se concluir o que muitos já concluíram: que Universo está contido em um grão de areia, e o padrão do fluxo Torus esta presente em nós e em tudo a nossa volta, inclusive no campo que estabiliza a matéria, tudo e todos: o Campo Unificado.
Torus duplo
A maioria das dinâmicas dos Torus realmente contêm dois torus – chamados “tori” – como os aspectos masculinos e feminino do todo – uma espiral em direção ao pólo norte e outra  em direção ao Polo Sul. Isto também é referido como o  “efeito Coriolis“. Como exemplos temos o clima na terra e o fluxo do plasma no sol.

A estrutura subjacente do Torus é o vetor de equilíbrio, ou “VE.” É o modelo pelo qual a natureza constitui energia em matéria.

Buckminster Fuller, um dos inventores do século XX, cunhou o termo “Vector Equilibrium”, porque o “VE” é única forma geométrica onde todas as forças são iguais e equilibradas. As linhas de energia (vetores) são de força e comprimento iguais. Elas representam a energia de atração e repulsão, como se pode sentir com um íman.

Na realidade o “VE” não pode ser observado no mundo material, porque ele é o equilíbrio absoluto da geometria. O que experimentamos na terra é sempre a expansão e a contração do equilíbrio absoluto. É como o nascimento de uma onda num mar tranquilo. Nasce uma forma material, desdobra-se com a  energia e morre de volta para ela mesma. A VE é como a imaginável – ainda invisível- mãe de todas as formas e simetrias que podemos ver no mundo.

Para que o padrão se mostre em todas as escalas, tem que haver uma forma que permita que os organismos cresçam  e   em simultâneo mantenham a proporção entre os seus componentes. Existe um vórtice espiral na natureza que realiza isso. É chamado  espiral phi e pode ser visto em tudo que ganhe forma, desde  pequenos fetos a gigantes galáxias.

A espiral de phi numa direção muitas vezes é balanceada com outra na direção oposta – é chamado de  espiral dupla Phi.

Faz sentido que o torus  se mostre seja qual for a escala, pois parece que vivemos num universo fractal. “Fractal” significa que os mesmos padrões se repetem em todas as escalas, quer sejam observados  através de um microscópio ou de um telescópio.

Quando se olha para uma pequena parte de um fractal,  tem a aparência igual  à sua forma completa. Como exemplos familiares, temos as cadeias de montanhas, leitos de rio, plantas e descargas de relâmpagos.

“A nossa crise é um nascimento. Somos um sistema vivo e viemos até o limite de uma fase de crescimento natural em um planeta finito … Temos de aprender rapidamente a evolução ética … 

Como buscamos facilitar um parto suave, uma transição graciosa e não violenta para a próxima fase da nossa evolução, vamos descobrir um padrão natural, um projeto do nosso nascimento, de transição e desenvolver um plano para colaborar com este projeto. ”  Barbara Marx Hubbard

A forma precede o nome, e sua história precede a escrita. O fluxo do universo se manifesta nesta forma, e Torus é o nome dado a este fluxo de retroalimentação presente em toda a natureza.

A influência e a forma deste fluxo podem ser notadas diretamente quando se observa por exemplo a forma de uma maçã, de uma abóbora, a forma dos campos magnéticos naturais dos imãs, dos planetas, da Terra, das estrelas, das galáxias, dos buracos negros, etc.

Podemos notar também a forma deste fluxo quando observamos a forma do campo eletromagnético dos seres vivos, como por exemplo do corpo humano, no qual o centro gerador desse campo é o Nó Sinusal no coração, que marca o pulso e gera impulso elétrico fazendo o coração bater.

Como consequência desse campo elétrico, há um campo magnético na forma do Torus que envolve todo nosso corpo. O tamanho deste campo é diretamente proporcional ao potencial elétrico gerado no coração. Outros corpos vivos como animais, plantas, organismos unicelulares, e até mesmo elementos químicos e o spin dos elétrons, também apresentam um fluxo energético na forma do Torus. Fenômenos naturais como furacões, tornados, ciclones, redemoinhos de vento e água apresentam seus vórtices nos moldes do fluxo Torus.

Aplicação:
A Pax Scientific patenteou a aplicação da espiral phi na tradução de “nature’s flow efficiencies into streamlined design geometries”. O resultado foi uma maior eficiência nas tecnologias tais como ventiladores, turbinas, bombas e muitas mais.

A pequena hélice baseada na concepção Phi, é capaz de circular num tanque de armazenamento de água de milhões galões sob a forma de um torus. Evita a estagnação e estratificação de temperatura e minimiza a necessidade de aditivos químicos. Tudo isto por 200-300 watts, a quantidade de energia que leva para acender 3 ou 4 lâmpadas.

Muitas das tecnologias da ”nova energia” são baseadas neste padrão – imitam o torus para captar a energia a partir do espaço que nos rodeia. O inventor da energia livre, Adam Trombly, explica que o seu dispositivo cria um dínamo com energia que é derramada através do seu centro e cria também campo magnético, como o Torus.

Tecnologia da Nova Energia
Início Século XX – Nikola Tesla envolveu-se na exploração do que chamou de Energia Radiante. Nos dias de hoje, cientistas acreditam que Tesla estava lidando com o que agora se chama de Energia Livre.
A famosa “Torre de Tesla” e o laboratório de Tesla foram construídos por Nikola Tesla entre 1901 e 1905, em Shoreham, Long Island. Pretendia que fosse o primeiro sistema de radiodifusão do mundo.
A finalidade da torre era também a de transmitir energia elétrica sem fios, a partir da enorme reserva eléctrica em Niagara Falls, transmitida através da ionosfera e do solo para todo o planeta.
Tesla pretendia saturar a superfície do globo com eletricidade para uso global.

O financiador deste enorme projeto era JP Morgan, que mais tarde perguntou como é que iríamos cobrar aos consumidores por esta eletricidade?

Sem uma resposta clara a esta pergunta, Morgan parou o financiamento para a torre de Wardenclyffe de Nikola Tesla .

Muitas das tecnologias da  “nova energia”  são baseadas neste  padrão – imitam o torus para captar a energia a partir do espaço que nos rodeia. O inventor da energia livre, Adam Trombly, explica que o seu dispositivo cria um dínamo com energia que é derramada através do seu centro e cria também campo magnético, como o Torus.

Adam Trombley, é um cientista moderno reconhecido internacionalmente, físico e líder no desenvolvimento da tecnologia de energia de ponto Zero.

Inspirou-se nos trabalhos de Tesla e nas possibilidades vindas do Torus. Inventou diversos dispositivos capazes de extrair a nova energia a partir do “vazio”, como o “Closed Path Homopolar Machine” e “Piezo Ringing Resonance Generator.”

Trombley foi convidado a demonstrar um dos seus geradores na ONU, perante o Senado dos Estados Unidos. Porém, estes eventos foram minados pela 1ª Administração Bush. O governo Americano confiscou-lhe o dispositivo.

John Bedini, começou a trabalhar na energia radiante há algumas décadas. Produziu uma série de aparelhos que geram mais energia do que a que necessitam para trabalhar. Anunciou que iria começar a vendê-los a preços baixos. Pouco tempo depois foi atacado no seu laboratório, ameaçado e persuadido a não produzir tais equipamentos. Para assegurar a sua segurança teve de abandonar a sua invenção de energia gratuita.

John Hutchinson do Canadá, não só criou baterias de energia livre, como usou Tesla para criar anti-gravidade. Para colocar objectos a levitar. A área da propulsão podia ser revolucionada. Seu laboratório foi invadido e os seus equipamentos confiscados pela policia e governo em 1978, 1989 e de novo em 2000.

A partir do entendimento de todas essas informações preliminares, com este modelo Torus é possível estudar e sentir como este importante fluxo energético funciona na prática, de maneira palpável e ao alcance de suas mãos. As informações estão presentes em diferentes níveis e em diferentes graus de profundidade.

Este tipo de energia limpa, não precisa de petróleo, nem de cabos para ser transmitida e a sua fonte está em todo o lado. Se quiser saber um pouco mais sobre a fonte, quem mata e ameaça para que a tecnologia não seja aplicada e como tentarmos ultrapassar estes poderosos obstáculos, assista ao documentário Thrive.

https://cidapereira01.wordpress.com/.../torus-o-harmonioso-fluir-da-energia-divina/

WORMHOLE CHAMADO VIA LÁCTEA




Alcuni ricercatori, tra cui anche un esperto della Scuola Internazionale Superiore di Studi Avanzati (SISSA) di Trieste, Paolo Salucci, hanno portato alla comunità scientifica la loro proposta: la Via Lattea potrebbe essere un wormhole, quindi un cunicolo spazio-temporale per poter viaggiare nello spazio. E se ciò fosse vero allora la nostra galassia sarebbe, come dicono gli studiosi, “stabile e navigabile”.

Servizio di Eleonora Ferroni, editing Stefano Parisini, Media INAF.


Alguns pesquisadores, incluindo um especialista da Escola Superior Internacional de Estudos Avançados (SISSA) em Trieste, Paolo Salucci, trouxeram sua proposta para a comunidade científica: a Via Láctea poderia ser um buraco de minhoca, depois um túnel espaço-temporal para viajar. no espaço. E se isso fosse verdade, então nossa galáxia seria, como dizem os estudiosos, "estável e navegável".

Serviço de Eleonora Ferroni, editando Stefano Parisini, Media INAF.

A VIA LACTEA SERIA UM ENORME “STARGATE”?


Wormhole

Em março de 2005, o físico e astrônomo Professor Scott Hyman de Sweet Briar College, tinha feito um anúncio surpreendente. Dr. Hyman e seus colegas, tinham revelado pela revista científica Nature, de que algo extraordinário estava no centro da nossa galáxia, a Via Láctea.

Ao analisar as ondas de rádio de baixa freqüência coletados pelo telescópio VLA (Very Large Array), em Socorro, Novo México, em 2002, Dr. Hyman e seus colegas pesquisadores haviam detectado um sinal intermitente que parecia enviado de forma inteligente. O sinal era composto por cinco emissões de rádio altamente energéticos de igual intensidade que duraram 10 minutos cada e apareceram a cada 77 minutos ao longo de um período de sete horas, de 30 Setembro a 1 de Outubro. A descoberta deixou Professor Hyman e toda a comunidade de astrônomos com uma verdadeira dor de cabeça.

Os antigos maias, por astrônomos e matemáticos que eram soberbos, também refletiu sobre o que poderia existir no centro da nossa Galáxia. O Maias sabiam exatamente onde ele estava localizado no centro do céu e tinha um glifo que representa ele, chamado Hunab’Ku. Dr. José Arguelles, da Universidade de Princeton, notável estudioso de Maia sabia que Hunab’Ku foi descrito como “The Butterfly Galactic” ou Cósmica, onde nasce a vida, onde tudo se origina. Além disso, os Maias, em toda a sua cosmologia e calendários extremamente precisos foram baseadas na existência e localização de Hunab’Ku e eles acreditavam que o futuro da humanidade, no final estaria acontecendo lá, dentro da borboleta Galactica.

O crop circle apareceu na Inglaterra, em 1996, é o símbolo da Maia “Hunab Ku”, ou do centro galáctico.

Para os maias, Hunab’Ku era o Deus supremo e o maior Criador. Representado a porta de entrada para outras galáxias além do nosso Sol, e toda a consciência que já existiu nesta galáxia. Hunab Ku, de acordo com o Maya, é também a consciência que organizou toda a matéria, a partir de um “disco girando”, em estrelas, planetas e sistemas solares. Hunab’Ku é a “Mãe Womb”, que constantemente dá à luz novas estrelas e deu à luz o nosso próprio Sol e Planeta Terra. Eles acreditavam que o “Criador” tudo dirige-se que acontece em nossa galáxia a partir de seu centro, através da promulgação de explosões periódicas “Consciência Energia”. Hoje, os astrônomos modernos descobriram que o centro da nossa galáxia é um “disco girando”, com um “buraco negro” no seu centro que é absorvente, que dando à luz das estrelas, ou a vida. Os rumores estranhos que Dr. Scott Hyman e seus colegas observados no início de 2005, o centro de nossa galáxia, pode ser conectado com o que eles os Maias acreditavam?

Parece haver uma convergência entre o que os maias acreditavam e entendido e que os cientistas modernos estão descobrindo sobre a nossa Galaxia  hoje. Uma grande diferença é a maneira pela qual os físicos modernos olham, e da maneira em que os antigos maias viam a “Time”. Hoje físicos olham o tempo como linear. Tempo nas regras modernas flui em uma linha direta. O tempo pode diminuir o ritmo, de acordo com Albert Einstein, mas sempre vai fluir em uma direção. Em contraste, os maias acreditavam que essencialmente Tempo fluiu em um círculo. Há um princípio e um fim as coisas, mas há uma renovação no final do tempo de ciclo. Existe um “periodicidade” para todos os fenômenos que se manifestam. O calendário maia, muito preciso, é baseado nesta regra. Os maias também acreditava que o tempo tinha originado Hunab’Ku e foi controlado por ele.

É muito difícil julgar o Mayan Cosmology porque eles deixaram evidências extraordinárias que os seus métodos de contagem de “Tempo” dão resultados extremamente precisos. Suas pirâmides, como a de Chichen-Itza, no México, são precisamente alinhado com os solstícios e equinócios anual, que são causados pela precessão da Terra enquanto estava em órbita do Sol. A Pirâmide de Kukulcan em Chichen-Itza é essencialmente um aparelho para medir o tempo excelente e muito preciso, que nunca deixa de marcar a “precessão dos equinócios” anual.

Astrônomos maias tinham previsto com precisão, mais de 1500 anos atrás, o alinhamento exato da Terra, o Sol, as Pleiades conjunto de estrela e do centro de nossa galáxia, que teve lugar no final de um ciclo longo, no ano de 2012 na Gregoriana . No calendário maia o dia designado como 4 Ahau 3 Kankin (13.0.0.0.0) caiu em 21 de dezembro de 2012 e este dia marcará “El Fin de los Tiempos” ou o fim de um longo ciclo, ou o fim de um ciclo ou Um mundo (e não o fim do mundo) em que a humanidade irá experimentar um novo começo.

Este dia, de acordo com a civilização Maia e secessão Meso-americano, será o retorno de Kukulcan (Quetzalcoatl), marcado pelo regresso dos senhores das estrelas. The Lords of the Stars serão aqueles que irão trazer equilíbrio para a Terra pela vontade da Fonte (Deus ou Kukulcan). Ela vai mostrar para os povos da terra vai tremer de forma pacífica e os poderosos senhores da guerra (Cabal-Illuminati). O Maia tinha dito no final do ciclo galáctico e o início do novo ciclo, a humanidade vai entrar numa nova Idade da Consciência elevada.

A Via Láctea pode ser um ou Stargate buraco de minhoca
Um wormhole ou buraco de minhoca, representaria um atalho no espaço-tempo, um verdadeira Stargate. Este túnel, poderia dar ao luxo de viajar entre dois pontos no universo a uma velocidade maior que a da luz.

Em um estudo publicado no “Annals of Physics” e realizado por cientistas internacionais, avançou a hipótese é muito charmoso. Existem não só os buracos de minhoca, mas todos nós vivemos em um deles: a Via Láctea seria, de fato, um imenso buraco de minhoca.

“Se combinar o mapa de matéria escura na Via Láctea com o mais recente modelo do Big Bang para explicar o universo, e assumimos a existência de buracos de minhoca, o que temos é que a nossa galáxia pode realmente conter um dos esses túneis, e que o túnel pode também ser do tamanho da própria galáxia “, diz Paolo Salucci, astrofísico de SISSA, um dos autores do estudo. “Nós também poderíamos viajar por este túnel, já que, de acordo com os nossos cálculos, poderia ser navegável. Assim como o que vimos no filme Stargate ou Interstelar .

” Obviamente, não estamos dizendo que a nossa galáxia é, definitivamente, um buraco de minhoca, mas simplesmente que, de acordo com os modelos teóricos, esta hipótese é uma possibilidade. Além da ficção científica, nossa pesquisa é interessante porque oferece uma mais complexa do que a matéria escura . “

Apenas matéria escura ainda é um dos maiores mistérios da astrofísica: ao mesmo tempo que nunca foi observada diretamente, mas apenas através dos efeitos gravitacionais sobre a matéria visível, acredita-se que a matéria escura constitui cerca de 84% do Universo. Como explicado por Salucci, de vez que os cientistas tentam explicar a matéria escura, assumindo a existência de uma partícula chamada neutralino.

” A matéria escura – continua Salucci – poderia ser “outra dimensão”, talvez mesmo um grande sistema de transporte galáctico, semelhante a uma verdadeira Stargate. Em qualquer caso, devemos realmente começar a se perguntar o que é “.

Por Massimo F.
http://www.segnidalcielo.it
https://clovismoliveira.wordpress.com/.