domingo, 11 de setembro de 2011

MAIAS OS SENHORES DA LEI DO TEMPO

Os nossos antepassados deixaram-nos fortes, profundas, mágicas e acertivas mensagens para um futuro consciente, criativo e luminoso, para nos facultar um futuro de Abundância em Amor, Harmonia e Unidade.

O termo "Maia" refere-se a uma longa linhagem ancestral.
Os Maias Senhores da Lei do Tempo. estiveram na Terra durante uma janela
de tempo específica, viveram e trabalharam com uma missão muito precisa
a de registar enormes ciclos astrológicos e astronómicos, com o fim de
alertar gerações futuras para a mudança da idade do mundo; o amanhecer
de uma nova criação - HomoLuminus.

Quando estava pronta a sua tarefa de codificação da mensagem em pedra,
os Maias Clássicos abandonaram a cena, regressaram ao espaço, para as dimensões de onde os Maias mantêm a sua Base.

Lentamente, os Maias terrestres se misturaram de novo com as civilizações
terrenas.Todos nós fazemos parte de um plano de evoluçãoe crescimento
 muito maior.

O nosso planeta está num período de gestação.
Todas estas mensagens são esclarecedoras e têm o propósito de nos
despertar/recordar para a nossa verdade e essência do que somos, de onde viemos, que propósito temos e para onde vamos, designado por Kin=afim.

O seu Kin, A Sua Verdade, como Ser de Luz que És.

despertarparaaalma.blogspot.com

MAIAS OS MAIS PURIFICADOS DOS POVOS SELETOS

Com a catástrofe Atlânte, os poucos sobreviventes se espalharam por várias partes das terras novas do mundo. Alguns vieram povoar a América central formando as Civilizações Maias, Aztecas, Toltecas, outros para a Ásia, colonizando a Índia, Tibete,China, Egito, Pérsia, etc.

Atualmente fazemos parte da quinta raça que povoa a Terra chamada raça Ariana ou Ária que começou do Dilúvio pra cá. Os Maias são os mais purificados dos povos seletos, e representam a própria cultura atlânte.

Seus conhecimentos se espalharam para todo o mundo e o próprio Mestre Jesus dos 13 aos 30 anos quando visitou os templos sagrados do Tibete aprendeu a linguagem dos Maias chamada NAGA, que era falada naqueles tempos. Suas terras se chamavam MAYAB, que quer dizer TERRA DOS ESCOLHIDOS.

As unidades de tempo dos Maias são assombrosamente elevadas, e 1 Alatun, por exemplo, equivale a mais de 63 milhões de anos. Os Maias dominaram a matemática e os corpos celestes, a partir dos quais elaboraram calendários de extraordinária complexidade e exatidão: alguns deles tornam possível o registro de datas ou eventos ocorridos a 400 milhões de anos!!

Os Maias foram extraordinários astrólogos, e prova disto está nos calendários que usavam, que, aliás, apesar de serem elaborados a milhares de anos atrás, são muito mais exato do que o nosso atual. E inclusive os calendários dos Maias, são os únicos encontrados em todo o planeta.

O calendário Maia é de tríplice referência: Solar ou HAAB, Venusiano e o Ritualístico ou TZOLKIN, que é fantasticamente orientado pelo centro de nossa galáxia e pelas Plêiades com duração de 25.920 anos terrestres, que é o mesmo tempo do ano sideral em que nosso sistema solar percorre as doze constelações do zodíaco de Áries a Peixes. Os Maias também deixaram, nos seus registros mensagens dirigidas aos homens da atual Era de Aquário pelo qual estamos em seus primeiros anos.

Os Maias se denominavam ‘O POVO DA SERPENTE’. A Escola Iniciática Pistis Sophiah mostra que os Maias conheceram o SEGREDO DA SERPENTE, que é o mesmo FOGO SAGRADO DO ESPÍRITO SANTO dos primeiros cristãos, o MAHA KUNDALINI dos hindus PEDRA FILOSOFAL dos Alquimistas e o Grande Arcano dos Gnósticos.

Devido a este choque tremendamente consciente, os Maias foram transferidos para a quarta dimensão ou quarta coordenada, onde vivem atualmente na mais pura felicidade. Pode-se ver que toda civilização Maia desapareceu misteriosamente sem deixar vestígios, e tudo que sobrou foi ruínas e apenas uns poucos que não seguiram a ‘senda do fio da navalha’.

Os Maias foram gloriosos porque não degeneraram, ao contrário dos Atlântes que involuiram e afundaram nas profundezas do oceano. Os Maias possuíam profundo respeito pelo divinal. Com toda a sua civilização, praticaram os MISTÉRIOS MAIORES, respeitando a SEXOLOGIA SAGRADA, seguindo a tradição de pai para filho, de geração em geração, e evoluíram extraordinariamente a ponto de serem reconhecido pelos deuses e transferidos para dimensões superiores.

Eram dotados de inteligência superior e conheceram o segredo da Serpente. Certamente a ciência atual, e os historiadores nada sabem sobre isto, pois suas mentes estão-se degenerando devido à perda de energias... Só consideram três dimensões sendo que o próprio Albert Einstein comprovou e admitiu a existência das várias dimensões do universo.

“A Atlântida unia geograficamente a América e o Velho Mundo. As civilizações Indo-América têm sua raiz no continente atlânte. Momentos antes da catástrofe atlânte, retirou-se o povo seleto. Alguns vieram a Meso-América e outros a meseta central da Ásia. Colonizaram o Tibete, a Pérsia, o Egito, etc.

“Em pleno Egito encontra-se pirâmides Maias. Existe plena documentação de que o Mestre Jesus aprendeu o Maia no Tibete. Lá falava-se Maia. Prova disto temos na frase pronunciada no Golgotá, que é uma frase maia que os judeus não entenderam porque não falavam Maia: ‘ELI LAMAH ZABACTANI’. Diziam dela os judeus: ‘A Elias chama para ver se vem salvá-lo’. Como iam entender? Em rigoroso Maia, ELI LAMAH ZABACTANI significa ‘OCULTO-ME NO AMANHECER DA TUA PRESENÇA’.
“Estabeleceu-se que a ciência religiosa conhecida por Jesus O Cristo, no Egito, na Índia e no Tibete era Maia. Existiu um profundo ocultismo Maia conhecido, sem dúvida, por Cristo, que escolheu seus símbolos (Maias) como sustentação de suas idéias de amor fecundo. Não pode ser casualidade que haja escolhido a cruz Maia. A trindade, os doze apóstolos e muitos e muitos outros símbolos para sustentar o imenso sentido científico de seus ensinamentos.

“Os Maias-atlântes trouxeram sua ciência-religião a Meso-América, Tibete, Índia, Pérsia e Egito; foram grandes civilizadores. Já se passaram 12 katuns e aguardamos o katum 13, no ano de 2043. Daqui em diante a catástrofe final será inevitável para a raça ariana que atualmente habita os continentes do mundo. O katum 13 é definitivo; os Maias o aguardam.

Os Maias como os Atlântes-maias, viajaram por todo o sistema solar. Os foguetes dirigidos pelos sábios Maias realizaram estas portentosas viagens. As naves eram impulsionadas por energia nuclear. Os Maias são grandes cientistas e em segredo continuam existindo com toda a sua ciência.

“Não me refiro aos Maias que publicamente aparecem na América. Estou falando dos Maias que vivem no universo paralelo, a 4ª dimensão deste planeta, conservando suas mágicas cidades, continuando com seus mesmos costumes e a mesma ciência; dedicando-se aos estudos e cálculos. “Existem cidades maias dentro da quarta dimensão, ou quarta coordenada, quarta vertical. Templos maravilhosos de ouro maciço que não deixaram aos espanhóis, onde guardam grande sabedoria antiga.

Em várias localidades do território sagrado dos Maias, são encontradas pirâmides muito semelhantes às pirâmides do Egito e de outras partes do mundo. Os Maias, da mesma forma que os egípcios, depositaram no interior de suas pirâmides toda a sabedoria que foi herdada dos atlântes sobreviventes do dilúvio. Com o afundamento da Atlântida, muitos dos iniciados que conheciam os ensinamentos de Manu, eram possuidores da Chave do saber, e se refugiaram em lugares seguros formando Fraternidades com a missão de transmitir aos merecedores a sabedoria dos atlântes.

As pirâmides possuem capacidades energéticas desconhecidas da atual civilização, e são também acumuladores de forças telúricas que à nossa atual civilização nem sonha que existem. Os lugares onde foram construídas foi minuciosamente escolhidos seguindo a certas leis energéticas do planeta.
Em Teotihuacán, no México está o maior parque arqueológico do continente americano. É neste sagrado lugar que se encontra a grande Pirâmide do Sol, que de acordo com as lendas dos antigos astecas, foi construída sobre um “barco celeste” que preserva o corpo de uma deusa Branca. Os historiadores atuais afirmam equivocadamente e sem base de apoio, que este colossal monumento foi construído no primeiro século de nossa era, mas na verdade, através dos supra-sentidos, a antropologia esotérica sabe perfeitamente que esta pirâmide foi construída há mais de vinte mil anos atrás. E nas próprias tradições dos antigos astecas contam que ela existia antes do surgimento de suas civilizações.

Bem próximo a Pirâmide do Sol encontra-se a Pirâmide da Lua, que é igualmente extraordinária em todos os sentidos. Inquestionavelmente, a Lua influi de forma notável nos acontecimentos tanto do planeta como nos seres humanos...

Podemos observar claramente a incrível influência da Lua não somente nas plantações ou nas marés alta, mas sobre tudo, no próprio comportamento das pessoas. Desgraçadamente a nossa cacarejada civilização esqueceu quase que por completo estas grandes influências da Lua. Se a Lua influi nas águas dos mares, basta apenas refletirmos que nosso organismo é formado de 70% de água.

Já foi observado que a maioria dos naufrágios, e queda de aviões ocorrem na Lua cheia. E o comportamento da população também é alterado devido às conjunções Lunares.

Os maias herdaram dos atlântes toda a sabedoria e os mistérios do Sol e da Lua, da forma que está claramente comprovado nas Pirâmides de Teotihuacán no México.

Fernando Salazar Bañol, em sua obra “Os Gnósticos através da História"” narra o seguinte sobre os Maias:

Se realizarmos uma profunda investigação sobre a presença da GNOSE em épocas anteriores ao cristianismo, encontramos nada mais nada menos que as correntes dos egípcios, dos maias, dos nagamaias do Tibete, dos hindus, etc. Constatamos sua presença nos Mistérios nórticos e nos países baixos da Europa. Na América do sul, vamos encontrá-la nos povos solares, nos incas, no Peru e na Bolívia... Conseguiu deixar também grande influência na Amazônia, cujo território pertence grande parte ao Brasil.

“Os gnóstico destes antigos tempos receberam a sabedoria da Atlântida. Por isto, vemos que os gnósticos incas receberam a sabedoria de Viracocha, (não confundir com Huiracocha). Viracocha era um personagem branco de grande capacidade e sabedoria. Entregou conhecimentos transcendentais aos incas.

“Se nos transladarmos às terras da Colômbia veremos com os muiscas que eles também receberam a sabedoria de um personagem com vestimentas brancas, barbas brancas, cabelos brancos e que montava um camelo. Se nos transladarmos ao México e a terra dos maias, veremos que os maias encontraram a Kuculkan, um personagem também de vestimentas brancas, barbas brancas e cabelos também brancos. No México aparece Quetzalcoatl, um tipo com as mesmas características.

“Se fizermos um exame minucioso através da história, veremos que a sabedoria que esses povos antigos tinham, antes de Cristo, eram completamente gnóstica. Veremos que neles também aparece o Culto da Serpente, porquanto a palavra Quetzalcoatl significa A SERPENTE EMPLUMADA, ou seja, a Serpente que tem plumas. Se examinarmos a sabedoria transcendental desses povos, descobriremos que também possuíam a sabedoria da supra-sexualidade, a sabedoria do sábio manejo do sexo, de uma maneira sagrada e enaltecedora.

“Recentemente, fez-se os achados dos códices Maias desconhecidos. Nesses códices Maias, aparecem as posições tântricas que os sacerdotes e as vestais ou Sacerdotisas Maias utilizavam. Em documentos ou códices mexicanos encontramos também grande quantidade de posições tântricas, posições da sexologia transcendental, onde deuses das dimensões superiores aparecem em união mística com homens e mulheres da Terra. Aí está perfeitamente simbolizada a Sabedoria Gnóstica”.

Os Maias foram extraordinários astrólogos, e prova disto está nos calendários que usavam, que, aliás, apesar de serem elaborados a milhares de anos atrás, são muito mais exato do que o nosso atual. E inclusive os calendários dos Maias, são os únicos encontrados em todo o planeta.

O calendário Maia é de tríplice referência:
Ritualístico ou TZOLKIN (260 dias)
Solar ou HAAB                  (365 dias)
Venusiano                          (584 dias)

TZOLKIN ou Ritualistico dos Maias é a famosíssima PEDRA DO SOL, o calendário sagrado dos Maias. Incrivelmente orientado pelo centro da Galáxia das Plêiades e provavelmente de Arcturus. É o ano ritual dos mais com duração de 260 dias. A PEDRA DO SOL ou TZOLKIN é uma síntese profética de Ciência, arte, filosofia e mística. Este sagrado calendário dos maias foi encontrado no México, esculpido em uma pedra de basalto olivino com 3,57m de diâmetro com 24,5 toneladas de peso. Atualmente esta guardada no Museu de Antropologia do México. Este calendário é muito mais exato do que o nosso usado atualmente, e contém a história de todo o nosso Planeta desde o seu início, a história das grandes raças que já o habitaram (Protoplasmática, Hiperbória, Lemuriana, Atlânte) e também a história e o destino de nossa atual raça Ariana e também das duas futuras raças que habitarão nosso planeta. É um calendário circular, e no centro encontramos o rosto de TONATIUH, o DEUS-SOL.

HAAB ou calendário civil constava de 365 dias e trabalha em conjunto com o TZOLKIN como se fossem duas engrenagens unidas uma na outra em movimento circular. Observe que os maias já sabiam antecipadamente a quantia exata dos dias do ano de forma muito mais precisa que o nosso mais moderno calendário. Também conheciam profundamente todos os movimentos da Lua e tinham registrado mais de 400 lunações seguidas. E o mais incrível de tudo é que os mais tinham cálculos exatos em contas equivalentes a milhares de anos, coisa que nem a nossa mais moderna ciência consegue fazer. E de 69 eclipses previsto pelos maias, somente 18 podiam ser observadas de seu território, mas como podiam saber de tudo isto? SABEDORIA, SABEDORIA E SABEDORIA...

VENUSIANO Inquestionavelmente, os maias possuíam conhecimentos extraordinários de astronomia. Além do TZOLKIN e do HAAB existe um terceiro calendário VENUSIANO que até hoje os cientistas estão tentando entender como eles o descobriram. Este calendário é baseado nos dias de Vênus, e o mais fantástico de tudo é que os maias atribuíam a Vênus o ciclo de 584 dias, a mesma quantia dada pela ciência atual.

Na verdade os Maias tinham contatos com os ‘SENHORES DA CHAMA’ que eram extraterrestres proveniente de Vênus, pelo qual trouxeram lhes muitos conhecimentos..

A gloriosa civilização Maia é extraordinária, e em segredo continuam vivendo na quarta dimensão ou quarta coordenada com toda a sua sabedoria... Os iniciados autênticos que desenvolverem a mente objetiva, compreenderão com clareza a grande mensagem dos maias para nossa atual era de aquário.


Abraço fraterno; seu instrutor!
www.pistissophiah.org/

OURO E PLATINA FORAM TRAZIDOS À TERRA POR METEOROS

Análises de antigas rochas forneceram evidências de que as reservas terrestres de metais preciosos, como o ouro e a platina, vieram do espaço. Segundo pesquisadores da Universidade de Bristol, na Inglaterra, responsáveis pelo trabalho, esses materiais são resultado de um bombardeio de meteoritos que começou a atingir a Terra mais de 200 milhões de anos depois de sua formação. Um artigo sobre o estudo foi publicado no periódico científico especializado Nature.
Sabe-se que o núcleo terrestre foi formado por ferro fundido, capaz de arrastar com ele metais preciosos. Assim, as camadas mais externas deveriam estar hoje livres desses materiais. Mas não é isso o que ocorre: o manto, camada abaixo da superfície, exibe abundantes quantidades de ouro, por exemplo. A única explicação para isso seria uma posterior chuva de meteoritos.

Com o objetivo de testar a ideia, os pesquisadores analisaram rochas de quase quatro bilhões de anos, coletadas na Groenlândia. Ao comparar a composição do tungstênio em antigas rochas com a de rochas modernas, a equipe encontrou uma assinatura química que distinguia os materiais. Segundo os cientistas, isso embasaria a tese de que a Terra foi atingida por uma chuva de meteoros que durou centenas de milhões de anos.

"Nosso trabalho mostra que a maioria dos metais preciosos nos quais as nossas economias e muitos processos industriais fundamentais se baseiam foi adicionada ao nosso planeta por sorte, quando a Terra foi atingida por cerca de 20 bilhões de toneladas de material espacial", afirma Matthias Willbold, um dos pesquisadores responsáveis pelo trabalho.

Revista Exame

PLANETA INVISÍVEL


Os astrônomos nunca o viram – mas têm certeza deque ele está lá. A cerca de 650 mil anos-luz da Terra, na constelação de Lira,orbitando uma estrela parecida com o Sol.

Chamado de Kepler 19c, o planeta invisível foi descoberto graças a um método novo de detecção, que mede sua influência em outros planetas de seu sistema.

Astrônomos do Harvard-Smithsonian Center for Astrophysics, nos Estados Unidos, utilizam o telescópio Kepler, da Nasa, para buscar exoplanetas –qualquer planeta que orbite uma estrela que não o Sol.

O método habitual consiste em observar a estrelas e medirpequenas alterações em seu brilho- que indicam a passagem de um corpo orbitandoo seu redor. O primeiro planeta descoberto ao redor da Kepler 19 foi batizadode Kepler-19b. Eles transita a estrela a cada 9 dias e 7 horas – mas, pro algummotivo, sempre estava 5 minutos atrasado ou adiantado.

Esse atraso indicava que a gravidade de outro planeta oestava afetando – e, pela primeira vez, cientistas conseguiram medir essavariação e provar a existência de um planeta, o Kepler 19c. Por ser muitopequeno, os métodos tradicionais de detecção não o achariam.

Por enquanto, além de saber que ele existe, não há mais muita informação a respeito dele, que tanto pode ser um planeta rochoso com uma órbita de 5 dias, ou um gigante gasoso com uma órbita de 100 dias.

Revista Exame