terça-feira, 2 de maio de 2017

GRANDE ATRATOR FLUXOS CÓSMICOS DO UNIVERSO LOCAL

Cosmic Flows Long Scenario, without soundtrack
 
Em junho passado, uma equipe internacional de pesquisadores mapeou os movimentos de estruturas do universo próximo em maior detalhe do que nunca. Os mapas são apresentados como um vídeo, que fornece uma representação do universo dinâmico tridimensional através do uso de rotação, pan e zoom. O Cosmic Fluxos projeto mapeou visíveis e de matéria escura densidades ao redor da galáxia Via Láctea a uma distância de 300 milhões de anos-luz - a partir do Grande Atrator e
a Zona de Prevenção de aglomerados de galáxias maciças com milhões de galáxias elípticas e espirais.
 
A estrutura em larga escala do universo é uma rede complexa de grupos, filamentos e vazios. Espaços e grandes espaços vazios, relativamente vazias delimitada por filamentos que formam superaglomerados de galáxias, as maiores estruturas do Universo. Nossa galáxia Via Láctea encontra-se em um super de 100.000 galáxias.
 
A estrutura em larga escala do universo é uma rede complexa de grupos, filamentos e vazios.Espaços-se grandes espaços vazios, relativamente vazias delimitada por filamentos que formam superaglomerados de galáxias, as maiores estruturas do Universo. Nossa galáxia Via Láctea encontra-se em um super de 100.000 galáxias.

O vídeo capta com precisão não só a distribuição da matéria visível concentrada em galáxias, mas também os componentes invisíveis, os vazios ea matéria escura. A matéria escura constitui 80 por cento do total de matéria do universo e é a principal causa de movimentos de galáxias com respeito um ao outro. Esta precisão 3-D cartografia de toda a matéria (luminosa e escura) é um avanço substancial.          
 
A correspondência entre os poços de matéria escura e as posições das galáxias (matéria luminosa) está claramente estabelecido, fornecendo uma confirmação do modelo cosmológico padrão. Através de zooms e deslocamentos da posição de visualização, este vídeo segue estruturas em três dimensões e ajuda as relações espectador aperto entre os recursos em diferentes escalas, mantendo um senso de orientação.
A comunidade científica tem agora uma melhor representação da distribuição de galáxias se movendo em torno de nós e uma ferramenta valiosa para futuras pesquisas.
O artigo científico "Cosmografia do Universo Local", o que explica a pesquisa por trás do vídeo, está disponível em http://arxiv.org/abs/1306.0091
A realidade de superaglomerados não era aparente até a década de 1980, quando novos telescópios e sensores poderiam produzir mapas tridimensionais do Universo. Superclusters são tipicamente vistos como fios finos e longos de aglomerados e galáxias, gases intracluster e, presumivelmente, "matéria escura" em uma superfície bidimensional, intercaladas por grandes vazios quase vazias da matéria.
Os astrônomos descobriram que as galáxias no Universo estão dispostos em lençóis e paredes que cercam grandes espaços vazios quase vazios. As galáxias espirais se alinham como contas em um colar, com seus eixos de rotação alinhados com os filamentos que descrevem vazios Embora a varredura do céu para a mais antiga luz cósmica, Planck satélite da ESA capturou fotos de alguns dos maiores aglomerados de galáxias e superaglomerados no Universo.
Várias centenas de galáxias e as enormes quantidades de gás que eles permeiam são mostrados na imagem abaixo do núcleo do Shapley Supercluster, a maior estrutura cósmica no Universo local, descoberto em 1930 pelo astrônomo americano Harlow Shapley, como uma notável concentração de galáxias no constelação Centaurus .

Com mais de 8000 galáxias e com uma massa total de mais de dez milhões de bilhões de vezes a massa do Sol, é a estrutura mais maciça dentro de uma distância de cerca de um bilhão de anos-luz da nossa Via Láctea Galaxy.The gás quente que permeia aglomerados de galáxias brilha em raios-X, mas também é visível em comprimentos de onda de microondas, que Planck vê como uma assinatura distinta na radiação cósmica de fundo - o brilho do Big Bang.
Olhando para essa assinatura - o chamado efeito Sunyaev-Zel'dovich - Planck já viu mais de 1000 grupos de galáxias, incluindo vários superaglomerados e pares de interagir clusters.
O Superaglomerado de Virgem ou Superaglomerado local é o superaglomerado irregular que contém o aglomerado de Virgem, além do Grupo Local, que por sua vez contém as galáxias da Via Láctea e Andrômeda. Pelo menos 100 grupos de galáxias e aglomerados estão localizados dentro de seu diâmetro de 110 milhões de anos-luz. É um dos milhões de superaglomerados no Universo observável .
Ele foi descoberto na década de 1980 que não só o grupo local, mas toda a matéria a uma distância de pelo menos 50 Mpc está experimentando um fluxo da ordem de 600 km / s na direção do aglomerado de Norma ( Abell 3627 ). Lynden-Bell apelidou a causa deste "O Grande Atrator".Enquanto os astrônomos estão confiantes da velocidade dos LS, que foi medido em relação a Radiação Cósmica de Fundo (CMB), a natureza do que está causando isso continua sendo um dos grandes mistérios da astronomia.
Os astrônomos sabem há anos que algo parece estar puxando a nossa Via Láctea e dezenas de milhares de outras galáxias em direção a si mesma em uma vertiginosa 22.000 mil quilômetros (14 milhões de milhas) por hora. Mas eles não puderam identificar exatamente o que ou onde está. Um grande volume de espaço que inclui a Via Láctea e super-aglomerados de galáxias está fluindo em direção a uma massa invisível misterioso, gigantesco chamado astrônomos massa têm apelidado de "O Grande Atrator", cerca de 250 milhões de anos-luz de nosso sistema solar.
As galáxias Via Láctea e Andrômeda são as estruturas dominantes em um aglomerado de galáxias chamado Grupo Local, que é, por sua vez, um membro afastado do superaglomerado de Virgem.Andromeda - cerca de 2,2 milhões de anos-luz da Via Láctea - está acelerando em direção a nossa galáxia em 200.000 milhas por hora.
Esse movimento só pode ser explicado pela atração gravitacional, embora a massa que podemos observar não é quase grande o suficiente para exercer esse tipo de atração. A única coisa que poderia explicar o movimento de Andrômeda é a atração gravitacional de uma grande quantidade de massa invisível - talvez o equivalente a 10 galáxias Via Láctea porte - que se encontra entre as duas galáxias.
Enquanto isso, todo o nosso grupo local é arremessado em direção ao centro do aglomerado de Virgem em um milhão de milhas por hora.
A Via Láctea ea vizinha a sua galáxia de Andrômeda, junto com cerca de 30 menores, formam o que é conhecido como o Grupo Local, que fica na periferia de um super cluster, um agrupamento de milhares de galáxias conhecidas como Virgem (veja imagem abaixo), que também é puxado em direção ao Grande Atrator. Com base nas velocidades nessas escalas, a massa invisível que habita os espaços vazios entre as galáxias e aglomerados de galáxias equivale a talvez 10 vezes mais do que a matéria visível.
Mesmo assim, a adição deste material invisível para matéria luminosa traz a densidade média massa do Universo ainda dentro de apenas 10-30 por cento da densidade crítica necessária para "fechar" o Universo. Este fenômeno sugere que o Universo ser "aberto". Os cosmólogos continuam a debater esta questão, assim como eles também estão tentando descobrir a natureza da massa em falta, ou "matéria escura".
Acredita-se que esta matéria escura determina a estrutura do universo na maior das escalas. A matéria escura gravitacionalmente atrai matéria normal, e é esta a matéria normal que os astrônomos ver formando longas paredes finas de cachos super-galácticos.
Medições recentes com telescópios e sondas espaciais da distribuição de massa no M31 - o maior de galáxias na vizinhança da Via Láctea - e outras galáxias levou ao reconhecimento de que as galáxias estão cheias de matéria escura e têm demonstrado que uma força misteriosa - - a energia escura - preenche o vácuo do espaço vazio, acelerando a expansão do Universo.
Os astrônomos agora reconhecer que o eventual destino do Universo está indissoluvelmente ligada à presença de energia escura e matéria escura. O modelo padrão atual para a cosmologia descreve um universo que é de 70 por cento de energia escura, 25 por cento da matéria escura, e apenas 5 por cento de matéria normal.
Nós não sabemos o que é a energia escura, ou por que ela existe. Por outro lado, a teoria da partícula nos diz que, em nível microscópico, bolhas mesmo um vácuo perfeito com partículas quânticas, que são uma fonte natural de energia escura. Mas um cálculo naïve da energia gerada a partir do escuro vácuo produz um valor de 10120 vezes maior do que a quantidade que observamos. Alguns processo físico desconhecido é necessário para eliminar a maioria, mas não todos, a energia do vácuo, deixando suficiente para conduzir a expansão acelerada do Universo.
O Universo como nós o vemos apenas contém as relíquias estáveis ​​e sobras do Big Bang: partículas instáveis ​​têm deteriorado embora com o tempo, e as simetrias perfeitas foram quebrados como o Universo esfriou, mas a estrutura do espaço se lembra de todas as partículas e forças já não podemos ver ao nosso redor.
Descobrir o que é que faz com que o coração do Grande Atrator - certamente irá classificar como uma das maiores descobertas da história da ciência. Descobertas recentes sugerem que estes movimentos são o resultado de forças gravitacionais de não uma, mas duas coisas: o Grande Atrator, e um conglomerado de galáxias muito além disso.
A localização do Grande Atrator finalmente foi determinado em 1986 e fica a uma distância de 250 milhões de anos-luz da Via Láctea, na direção das constelações Hydra e Centaurus. Essa região do espaço é dominado pelo cluster Norma, um conjunto enorme de galáxias, e contém uma preponderância de grandes galáxias, velhos, muitos dos quais estão colidindo com os seus vizinhos, e irradiando ou grandes quantidades de ondas de rádio.
O Grande Atrator é uma concentração difusa da matéria 400 milhões de anos-luz de tamanho dentro da chamada "Centaurus Wall" de galáxias, cerca de sete graus fora do plano da Via Láctea. Observações de raios-X com o satélite ROSAT revelou então que Abell 3627 é o centro do Grande Atrator. Encontra-se na chamada Zona de Prevenção, onde a poeira e estrelas do disco da Via Láctea obscurece tanto quanto um quarto do céu visível da Terra.
Maior concentração de galáxias se encontra além do Grande Atrator, perto do Shapley Supercluster, 500 milhões de anos-luz de distância. Raios-X Mapeamento aglomerados de galáxias luminosas na região do Grande Atrator mostrou que a puxar a nossa galáxia está passando é mais provável devido tanto ao próximo Grande Atrator e estas estruturas mais distantes.
Em 1987, um grupo de astrônomos conhecidos como "Os Sete Samurais", em Cal Tech descobriu este movimento coordenado da Via Láctea e os nossos vários milhões de vizinhos galácticos mais próximos. Eles descobriram que as galáxias estão muito mal distribuídos no espaço, com super-aglomerados galácticos separados por incrivelmente enormes vazios de matéria comum visível.
O lugar para o qual todos nós parecem chefiada foi originalmente chamado de Centro Novo Supergalactic ou o objeto de grande massa, até que um dos descobridores, Alan Dressler, decidiu que precisava de um nome mais sugestivo e veio com "O Grande Atrator".
O movimento das galáxias locais indicaram que havia algo enorme lá fora, que estão puxando a Via Láctea, a galáxia de Andrômeda e outras galáxias vizinhas em direção a ela. Por um tempo, ninguém podia ver o que era, porque ele está por trás do plano da nossa galáxia - isso significa que o gás e poeira em nossa galáxia obscurece a luz do Grande Atrator, e é ofuscado pelas estrelas e outros objetos em nossa galáxia.
The Daily Galaxy via ESO, Planck Institute
universo-review.ca, solstation.com, nasa.gov mundo science.netand

http://manoa.hawaii.edu/news/



MISTÉRIO DO GRANDE ATRATOR

 
A Terra e os demais planetas, as constelações e as galáxias, tudo se move pela imensidão do espaço a estonteantes velocidades e numa mesma direção, como sob efeito de uma força estranha e invisível.
 
É uma autêntica odisséia no espaço. O planeta Terra está se movendo em desabalada carreira através do Universo— e um dos grandes desafios da ciência moderna é justamente determinar qual é, afinal, o destino definitivo dessa incrível viagem. O curto tempo necessário para ler esta página basta para mostrar que a viagem, além de incrível, é assustadora. Pois, sem perceber, quando terminar a leitura, um terráqueo terá se deslocado por uma distância imensa: cerca de 400 mil quilômetros, ou dez vezes a circunferência do planeta, segundo as últimas contas apresentadas pelos astrônomos e astrofísicos, os homens que investigam o céu.
 
O que eles não sabem é explicar a causa desse movimento, o qual, traduzido em grandes números, indica que a Terra voa a cerca de 2 milhões de quilômetros por hora, vinte vezes mais veloz que as mais lépidas naves já lançadas. Os cientistas imaginam que estamos sendo arrastados por uma inesperada e formidável concentração de estrelas, em algum ponto do espaço, na direção da constelação do Cruzeiro do Sul, mas certamente muito além dela. Incapazes de divisar o vasto vulto dessa massa de estrelas, que permanece nos confins do Cosmo, oculta dos telescópios, os cientistas se contentam em lhe dar um nome portentoso: o Grande Atrator.
 
É possível até que não haja estrela nenhuma na reta final da corrida: o Grande Atrator pode revelar-se um personagem muito mais estranho e incomum do que os prosaicos sóis conhecidos pela ciência. As mais notáveis candidatas ao título de Grande Atrator ainda são as estrelas, ou melhor, as grandes concentrações de estrelas, como as galáxias e os grupos de galáxias, chamados aglomerados ou superaglomerados, dependendo do seu tamanho. É instrutivo observar esses colossos siderais para entender como nasceu o enigma do Grande Atrator. O périplo terrestre começa com o Sol, o mais próximo centro de força gravitacional que influencia o movimento do planeta. A portentosa massa solar exerce uma atração constante sobre a Terra, fazendo-a girar à sua volta a 100 mil quilômetros por hora.
 
Mas isso não é tudo: em seguida é preciso acrescentar o movimento do próprio Sol, que se move levando consigo todo o séquito de planetas a rodopiar no céu. A situação é curiosa, pois, quando os dois movimentos se somam, a Terra acaba realizando uma infindável espiral no espaço, algo como um descomunal saca-rolha. Na verdade, é difícil visualizar a tortuosa trajetória da Terra, já que o Sol não corre em linha reta, mas gira a cerca de 1 milhão de quilômetros por hora em torno do centro da galáxia, a Via Láctea—levando quase 200 milhões de anos para completar o percurso. Sob a forma de um grande redemoinho, onde se agitam nada menos de 200 bilhões de estrelas— das quais alguns milhares enfeitam as noites terrestres—, também a Via Láctea está sendo arrastada. Junto com outras 21 galáxias próximas, denominadas coletivamente Grupo Local, ela arremete na direção de um distante aglomerado de galáxias, conhecido como Virgem.
 
“Nesse ponto, é inevitável nos sentirmos como uma colônia de micróbios na ponta da asa de uma andorinha”, compara o astrofísico brasileiro Augusto Daminelli, do Instituto Astronômico e Geofísico (IAG) da USP. Nessa metáfora, cada andorinha representa uma galáxia. “Então, a hercúlea tarefa do astrônomo é tentar prever o destino de todo o bando de aves”, descreve Daminelli. Não se deve esquecer que a Terra, assim como o Sol e as outras estrelas, acompanha o movimento das galáxias e aglomerados. A sua revoada cósmica, por essa razão, se torna terrivelmente complexa. Além disso, as galáxias muitas vezes se emaranham umas nas outras em épicas confusões—é o que astrônomos chamam “canibalismo cósmico”.
 
“A própria Via Láctea, neste momento, parece estar dilacerando uma dessas vizinhas menores”, provoca o astrofísico Daminelli. Trata-se da Pequena Nuvem de Magalhães, situada a apenas 150 mil anos-luz de distância (cada ano-luz representa 9,5 trilhões de quilômetros; em comparação, a mais próxima grande galáxia, Andrômeda, situa-se a 2,2 milhões de anos-luz). Assim, as partes mais próximas da Nuvem de Magalhães estão sendo tragadas pelo puxão gravitacional da Via Láctea. E certo que algumas colisões cósmicas podem envolver centenas de galáxias, gerando um híbrido imenso e deformado, com mais de 1 trilhão de estrelas— algo que soa natural apenas a uma íntima fração do gênero humano, os astrofísicos.
 
No entanto, o fato de sermos simples micróbios em escala galáctica tem as suas vantagens: “Essas colisões são muito grandes para nos afetar”, ensina Daminelli. De fato, se a Via Láctea caísse na goela de um canibal do espaço, as nossas estrelas apenas mudariam de posição—não haveria choque com as invasoras porque os astros estão geralmente muito afastados uns dos outros. Além desse efeito, notaríamos apenas, milênio após milênio, um vagaroso aumento do número de estrelas no céu. O primeiro passo para a descoberta do Grande Atrator, nesse agitado ambiente intergaláctico, foi dado por dois pesquisadores americanos, Brent Tully e Marc Aaronson (este, falecido no ano passado e o primeiro trabaIhando na Universidade do Arizona).
 
A sua proeza foi determinar, há mais de dez anos, o movimento das 22 galáxias do Grupo Local na direção do aglomerado de Virgem, a 900 mil quilômetros por hora. Essa violenta fisgada se explica porque, embora a 70 milhões de anos-luz de distância, o aglomerado de Virgem contém centenas de galáxias e ainda um avantajado canibal bem no seu centro. Mas Virgem não permaneceu muito tempo com o título de Atrator: em 1977, descobriu-se que a Terra tinha outra direção no espaço além dessa. O planeta parecia estar se dirigindo rumo ao superaglomerado de Hidra-Centauro, duas vezes mais distante e—a julgar por sua força— dez vezes maior do que Virgem.
 
A surpresa foi grande, pois não se esperava que houvesse outra enorme concentração de matéria capaz de competir com aquele aglomerado. Mas a novidade foi cuidadosamente checada e confirmada. Os grandes telescópios revelaram que na direção da parte da Via Láctea ocupada pelas constelações da Hidra e do Centauro, mas a 120 milhões de anos-luz, há um gigantesco enxame de estrelas, como nunca se tinha visto antes. A descoberta deixou os cientistas desconfiados; afinal, como ter certeza de que no futuro não se achariam novas causas para o rocambolesco movimento da Terra? Era preciso imaginar um meio de dar um xeque-mate na questão—e foi com essa meta que se reuniram, há cerca de cinco anos, os membros de um grupo de elite da comunidade astronômica, que atende pelo respeitável apelido de Os Sete Samurais. Fiéis à fama, os americanos Alan Dressler, David Burnstein, Roger Davis, Sandra Faber, e os ingleses Donald Lynden-Bell, Robert Terlevich e Garry Wegner decidiram lançar mão dos mais modernos instrumentos de investigação celeste para levar a cabo a missão. Suas armas de pesquisa são as mais sofisticadas do planeta, como os telescópios estrategicamente situados nos Andes chilenos, Estados Unidos, incluindo Havaí, Austrália e África do Sul. A grande vantagem desses instrumentos é a disponibilidade de tempo: podem ser empregados por longos períodos no mapeamento do céu. A eles, os Sete Samurais acrescentaram detectores eletrônicos capazes de registrar oitenta de cada cem partículas de luz que recebem—um avanço espantoso em relação aos filmes fotográficos, que acusam uma única partícula a cada cem.
 
Enfim, vêm os computadores. Diretamente ligados aos telescópios, analisam e corrigem incessantemente as imagens captadas, transformando sinais distorcidos em fonte segura de informação. Após cinco anos de trabalho, os Sete Samurais expuseram o resultado da caçada: o próprio superaglomerado de Hidra-Centauro está sendo arrastado. Ou seja, não é ele. ainda, o Grande Atrator.
 
Apresentada no final do ano passado, a notícia causou grande agitação entre os cientistas. Primeiro, porque o mapeamento dos Sete Samurais foi extremamente amplo, medindo a posição e a velocidade de 400 galáxias num raio de 400 milhões de anos-luz.. O segundo motivo de agitação é mais complexo. A partir de 1977, inventou-se novo método—muito preciso —para medir a velocidade da Terra, utilizando para isso nada menos que o brilho apagado do Big Bang, a grande explosão que deu origem ao Universo.
 
Essa luz fóssil, gerada entre 15 e 20 bilhões de anos atrás preenche por igual todo o Cosmo e chega à Terra vinda ao mesmo tempo de todas as direções. Ela agora se encontra na forma esmaecida de microondas, semelhante à radiação empregada nos fogões modernos. É o fato de ser idêntico em todas as direções do espaço que torna a luz do Big Bang um bom meio de medir a velocidade da Terra. Pois, se a Terra se move numa certa direção, a radiação primitiva será um pouco mais forte nessa direção —quebrando a uniformidade original do brilho cósmico. As medições realizadas até agora são taxativas: há realmente um ponto no céu onde a radiação se acentua, enquanto no rumo exatamente oposto ela se reduz a um mínimo.
 
Esse seria o movimento definitivo da Terra— medido em relação ao próprio espaço e não em relação a outras estrelas e galáxias. Descontadas todas as piruetas, a Terra estaria avançando a cerca de 2 milhões de quilômetros por hora rumo à constelação de Hidra. É de perder a respiração. Durante toda a história da humanidade, a sensação de movimento sempre provocou um certo desconforto. Quando o astrônomo polonês Nicolau Copérnico (1473-1543) descobriu a revolução da Terra em torno do Sol—foi a primeira vez que se admitiu que a Terra não estava em repouso sereno—, a reação dos conservadores foi violenta, como se vê pelo destino do filósofo italiano Giordano Bruno (1548-1600), queimado por defender a existência de infinitos mundos em permanente correria cósmica.
 
Lentamente, a noção de movimento acabou se impondo, mas mesmo assim resta uma certa inquietação. Esta se revela, no caso do Grande Atrator, diante da possibilidade de que o Universo não seja tão bem organizado quanto se pensava. “As grandes concentrações de galáxias perturbam a imagem que temos do Cosmo”, observa Daminelli. Feitas todas as contas, explica ele, os cientistas esperavam encontrar uma escala de distância onde as concentrações desapareceriam: o excesso de galáxias em alguns lugares seria compensado pela ausência de matéria em outros.
 
Os mais recentes mapeamentos do céu deixam dúvida, porém, quando à existência de tal escala: 400 milhões de anos-luz é uma porção considerável do espaço e mesmo assim continua apresentando desigualdade na distribuição dos astros. Por que será que o Universo apresenta uma face luminosa tão uniforme, enquanto a matéria se mostra tão heterogênea? Esta é a monumental pergunta que o Grande Atrator coloca aos cientistas empenhados em caçá-lo. Da resposta pode resultar mais uma reviravolta no conhecimento humano sobre o infinitamente grande.
 
O céu é habitado por uma vasta coleção de seres estranhos e inesperados — pelo menos nas teorias que buscam explicar o cósmico tropel de galáxias relacionado com o Grande Atrator. Segundo um desses vôos de imaginação científica, talvez a Terra não esteja sendo atraída por um gigantesco vespeiro de estrelas, e sim pela força de objetos pré-históricos — e ponha-se pré-histórico nisso —, como, por exemplo, aquilo que os estudiosos resolveram chamar de cordas. Naturalmente, essas exóticas figuras das equações cosmológicas nunca foram avistadas no céu, mas alguns teóricos crêem que elas teriam surgido 1 segundo depois da grande explosão que deu origem ao Universo. Durante o resfriamento que se surgiu ao inferno primordial, parte da energia ficou cristalizada sob a forma de fios imensos, finíssimos e pesadíssimos.
 
Um único centímetro de um fio desses pesaria tanto quanto uma montanha, embora as cordas supostamente fossem quatrilhões de vezes mais finas que o núcleo de átomo. Em junho último, uma equipe do Laboratório de Los Alamos, nos Estados Unidos, sugeriu que o Grande Atrator poderia ser um novelo de cordas pesando 10 quatrilhões de vezes mais do que o Sol. Outros pesquisadores, como o americano Jeremiah Ostriker, acreditam até que as cordas talvez tenham sido a semente que fez surgir as próprias galáxias. Como se sabe, as galáxias são estruturas bem organizadas e bem delimitadas no espaço—por isso mesmo, os cientistas não sabem explicar como elas se formaram a partir do caldo indiferenciado de matéria e energia existente nos primórdios do Cosmo.
 
O professor Ostriker vai ainda vai mais longe: ele sustenta que as cordas criaram a inesperada sucessão de vazios e grandes concentrações de galáxias observada no Universo. Os vazios se assemelham a bolhas em cuja superfície monumental se acomodam as galáxias e os aglomerados de galáxias. Essas bolhas, sugere o cientista, seriam conseqüência da pressão de radiação emitida pelas cordas. “Se as cordas existirem, elas deverão alterar a própria forma do espaço-tempo”, deduz o veterano cosmologista americano Joseph Silk. Seja como for, não se chegará muito mais perto do Grande Atrator antes disso. Mesmo que o Universo fosse estático—se a distância entre as galáxias não se ampliasse continuamente, como pontos na superfície de um balão inflando—, ainda assim levaríamos 30 bilhões de anos para chegar até essa misteriosa entidade. É um tempo mais que suficiente para decifrar o grande enigma.
 
super.abril.com.br/ciencia/o-misterio-do-grande-atrator

PLANETA TERRA RUMO AO GRANDE ATRATOR

 
Há vinte anos já se desconfiava: a Terra rodopia no espaço a mais de 2 milhões de quilômetros por hora. A novidade é que agora já sabemos para onde. Nosso destino é o Grande Atrator.

Desde a década de 70, os astrônomos suspeitam que a Terra viaja pelo Cosmo a 2,2 milhões de quilômetros por hora. Agora, eles acabam de descobrir para onde estamos indo. Vamos para o Grande Atrator, que fica atrás da fenomenal concentração de galáxias conhecida como aglomerado de Centauro. Pois assim é: o planeta é arrastado em rodopios pelo espaço. Primeiro, ao redor do Sol. Depois, com todo o sistema solar, em torno da Via Láctea. Esta, por sua vez, tem seu próprio movimento entre outras galáxias vizinhas… e assim por diante, até o Grande Atrator.

Depois de mais de vinte anos de pesquisas, os cientistas podem, enfim, apontar para um ponto na direção do aglomerado de Centauro, a mais de 137 milhões de anos-luz (um ano-luz equivale a 9,5 trilhões de quilômetros) e dizer: “É aqui!”. Mesmo sem nada conseguir enxergar naquele local, eles têm certeza de que o próprio aglomerado de Centauro é atraído por um superagrupamento de galáxias maior ainda — este sim, o tão procurado Grande Atrator. “Acreditamos que esse verdadeiro vespeiro de galáxias seja provocado pelo encontro de dois outros imensos grupos alinhados em forma de uma grande parede”, afirma o astrofísico Paulo Sérgio Pellegrini, do Observatório Nacional do Rio de Janeiro. “A massa desse incrível ‘bolo’ gera uma formidável força de gravidade que atrai as galáxias da região da Via Láctea e até mais além.”

Pellegrini faz parte da equipe chefiada por Luiz Nicolaci da Costa, que trabalha no mapeamento do Universo desde 1981. A pesquisa realizada pelos cientistas brasileiros, em colaboração com astrônomos da Argentina, do Chile e da África do Sul, foi fundamental na descoberta das chamadas “muralhas de galáxias” que levaram ao próprio Grande Atrator.

A idéia do Grande Atrator não é exatamente nova. Já na década de 70, desconfiava-se da existência da poderosa “draga” cósmica. Em 1986, um grupo de sete pesquisadores — cinco americanos, um inglês e um argentino — começava a desvendar o grande mistério. Os Sete Samurais, como são apelidados os astrônomos, famosos por aceitar e vencer grandes desafios cieníficos, previram que esse enigmático “ímã” deveria estar na direção do aglomerado de Centauro.

Por meio da observação de mais de 400 galáxias e de complexas equações matemáticas, eles calcularam as diversas direções e velocidades em que a Terra viaja. Isso porque o caminho dessa jornada é definido pela força de gravidade de diversos corpos ao nosso redor. O planeta gira em torno do Sol, que está preso a um dos braços da galáxia. A Via Láctea, por sua vez, faz parte de um grupo de cerca de trinta galáxias, que corre em direção ao aglomerado de Virgem. Calculando tudo, os cientistas concluíram que a viagem vai até mais além, numa região intermediária entre Centauro e Virgem.

“Pode-se comparar essa dança de forças à correnteza de um rio”, diz Pellegrini. “Em alguns pontos, a água acelera em turbilhão entre as pedras; às vezes, ela flui vagarosamente junto à margem, para, mais adiante, entrar em redemoinho. Mas, no final, o destino é um só: o mar.” Na escala cósmica, o Grande Atrator funciona justamente como um oceano, para onde as galáxias escorrem.

Os Sete Samurais descobriram, então, que a Terra avança através do espaço a estonteantes 2,2 milhões de quilômetros por hora. Ou seja, algo em torno de 5 000 vezes mais que a velocidade a que chegam os carros de corrida da Fórmula Indy, ou até cinqüenta vezes mais que os foguetes, que viajam a 40 000 quilômetros por hora. Alerta geral para a tripulação: parece que temos uma trombada astronômica pela frente. Mas não há motivo para pânico. Primeiro, porque existe uma boa chance de apenas “tirarmos uma fina” do ninho de galáxias. E segundo porque, mesmo que a Terra não resista a essa atração fatal, um eventual encontro com o Grande Atrator não deve acontecer antes de 130 quintilhões de anos.

Os Samurais previram a localização aproximada desse misterioso ímã, mas, em 1986, não sabiam dizer mais sobre o que ele é, ou como é. Isso porque — para cúmulo do azar — o Grande Atrator está escondido exatamente atrás do chamado disco da Via Láctea, uma região de intensa luminosidade, que prejudica a observação de pontos mais distantes.Por causa do disco, a visibilidade naquela direção é praticamente nula. Os cientistas só podem contar, então, com os satélites que medem a radiação infravermelha e ultravioleta emitida pelos astros. Mas a incógnita não duraria muito. Logo viriam novas informações sobre o complexo celeste que atrai a Terra.

Ainda em meados da década de 80, outra equipe de pesquisadores, liderada por Margareth Geller e John Huchra, do Centro de Astrofísica do Instituto Harvard-Smithsonian, nos Estados Unidos, surpreendia o mundo com a descoberta de um objeto até então inimaginável: uma gigantesca parede de galáxias, de 150 milhões de anos-luz de comprimento, na região do aglomerado de Virgem. A primeira reação dos cientistas foi de sutil descrédito.

Mas nem todos duvidaram de cara. Deste lado do mundo, os astrônomos brasileiros e seus colaboradores argentinos, chilenos e sul-africanos continuavam o levantamento do que existe na porção do Universo vista do Hemisfério Sul. E levaram a sério aquela história de muralha. Na verdade, os brasileiros desconfiavam dessas grandes concentrações de galáxias, havia já alguns anos.

Hoje, juntando todos os dados coletados em porções cada vez mais profundas (significa dizer, mais distantes) do Universo, foi marcada a posição de 3 600 galáxias. E — grata surpresa — foram achadas duas grandes paredes que se encontram bem perto do ponto onde os Sete Samurais previam que estaria o Grande Atrator, na região de Centauro. Com a participação dos brasileiros, o mistério começava a ser desvendado.

Mais do que identificar o Grande Atrator, as últimas observações comprovaram o que se acreditava ser absolutamente improvável. A combinação dos dados levantados nos hemisférios Norte e Sul — mais de 14 000 galáxias numa profundidade de 900 milhões de anos-luz da Terra — mostrou que a estrutura de paredes existe nas duas “metades” do céu. “Isso quer dizer que não há uma única Grande Muralha, mas que essas paredes são muito mais comuns do que se pensava”, comenta Nicolaci da Costa. “E levanta novas questões para a Cosmologia como, por exemplo, a de que o Universo talvez seja composto de bolhas de vazio rodeadas por paredes de matéria”.

Se essa hipótese se comprovar, significa que, em algum momento longínquo do passado do Universo, alguma estranha perturbação começou a dar verdadeiros “nós” de matéria em certos pontos do espaço. Como massa atrai massa, pela força de gravidade, a lógica prevê que isso acabaria mesmo causando o esvaziamento das regiões em torno desses pontos.

Nesse caso, pode-se imaginar o espaço cósmico dividido em casulos, como uma colméia irregular. As paredes de cada casulo constituem as muralhas por onde as galáxias escorregam em direção aos vértices — provavelmente os grandes atratores finais. O problema é que não existe nenhum modelo sobre a formação do Universo que explique o que seriam e como teriam surgido tais perturbações no início do Cosmo.

A descoberta do Grande Atrator não quer dizer, necessariamente, que tenhamos vislumbrado o ponto final dessa corrida maluca. Os astrônomos já estudam a possibilidade de outras paredes de galáxias estarem influindo em todo o movimento. Desse modo, o Grande Atrator criado pela intersecção de duas muralhas deve ser a força predominante nas nossas redondezas — que é tudo o que temos, mais ou menos mapeado.

“Já existem indícios de que outra parede, chamada Perseus-Peixes, na região do céu oposta a Centauro, seja outra fonte de atração a influir em todo esse movimento”, conclui Pellegrini. A resposta definitiva a todas essas questões ainda depende de muita observação. Afinal, como diz Margareth Geller, “em termos astronômicos, ainda não conseguimos ver além do jardim da nossa própria casa”.

O Universo em cubos
A estrutura do Cosmo pode ser comparada a uma colméia, a um grupo de bolhas de sabão, ou, para ficar fácil de visualizar, a cubos empilhados. Segundo a teoria, as galáxias tendem a se juntar em “paredes” ou “muralhas”, que seriam as faces justapostas dos cubos

As faces dos cubos atraem mais e mais galáxias para compor as muralhas. Assim, o interior dos cubos fica cada vez mais vazio e as paredes, cada vez mais densas

As arestas são formadas pelo encontro de paredes. Aí, a concentração a de massa é ainda maior que nas paredes, o que aumenta também a força de gravidade

Finalmente, os vértices — ponto de encontro das arestas dos cubos — são os locais de maior densidade. Portanto, devem ser também os de maior força gravitacional

Um conjunto de bolhas de sabão também é uma boa imagem para o Universo. A única diferença em relação à figura à esquerda é que aqui as paredes e muralhas
são arredondadas.

super.abril.com.br/tecnologia/atencao-tripulacao-terra-rumo-ao-grande-atrator/