sexta-feira, 25 de dezembro de 2009

HERMES TRIMEGISTOS GEOMANCIA

Assoma por trás de todos os conceitos da Malha planetária o mago antigo, Hermes Trismegistos, Mestre Geomante da Terra Três Vezes Grande, com suas Tábuas de Esmeralda Smagdarina, as chaves do corpo de energia de Gaia (Terra). Esse mesmo engenheiro de Malha mestre, o mensageiro dos Deuses na Terra, posteriormente passou sua tocha de maestria, em nossa época, ao Arcanjo Miguel com sua espada iniciatória solar. Miguel, segundo os hebreus, é o Guardião dos Segredos das Relações entre Céu e Terra — o vínculo que alimenta a geomancia. A mensagem tanto de Hermes como de Miguel para nós hoje, na qualidade de engenheiros de Malha neófitos, é a seguinte:

A malha é o fenômeno espiritual supremo da Terra.
A linha de Ariadne que nos tirará deste labirinto desnorteante da vida física na Terra é a linha ley. No entanto, o redescobrimento das linhas ley neste século não passa de um fragmento do descerramento, inevitável, dos segredos da Natureza. As linhas ley são as faixas luminosas das quais muita gente vem se valendo atualmente, mal suspeitando das riquezas que jazem no fim dessas linhas de luz sutis. Todas as linhas ley conduzem à malha planetária, a matriz primária de luz e energia, criando, envolvendo e sustentando o planeta Terra, nossa Gaia.

Nos últimos tempos, a malha foi descrita de várias maneiras pelos poetas e clarividentes. As linhas ley são "as linhas radiais das teia das aranhas."

As linhas ley constituem "os pontos centrais de uma vasta teia de múltiplas camadas, lembrando, de certa forma, um micrógrafo de células nervosas e seus gânglios" como "o sistema circulatório e nervoso do corpo da Terra."

A malha é "uma rede geometricamente exata" pontuada de "Malhas de Luz, pontos focais," um "complexo de teia receptor com ligação de entrada."

A romancista britânica Doris Lessing escreve de maneira pessoal sobre a Malha, descrevendo-a como "a teia abrangente de luz sutil (que) tocou o globo da Terra...Por todo o globo corriam estes pulsos ou linhas" que compõem "uma membrana giratória colorida" e "uma grande teia de oscilações e tremulações padronizadas." 

Um conhecido pessoal meu da Inglaterra resumiu-a com exatidão: "Vi a Terra como uma rede de pescar feita de linhas de luz. Meu corpo era o mesmo, e havia linhas de luz se irradiando das interseções da superfície do planeta, ligando-se com a rede de teias que circunda os demais planetas."

As Chaves Herméticas da Malha planetária estão entalhadas nas Tábuas de Esmeralda míticas do Mensageiro, que resumem os sete Princípios Herméticos subjacentes a toda manifestação. As chaves da Geomancia de Hermes são:

Princípio do Mentalismo
O Universo é Mental, O Tudo é a Mente Infinita, que é a realidade fundamental
 e a origem de todos os universos

Princípio da Correspondência
Tudo o que existir Embaixo existe no Alto, e tudo o que existe no Alto, existe Embaixo,
para que sejam realizados os milagres do Um

Princípio da Vibração
Nada está em repouso; tudo se move e vibra

Princípio da Polaridade
Tudo é dual, tem pólos, e pares de opostos

Princípio do Ritmo
Tudo apresenta marés, seus altos e baixos, seu pêndulo imutável pende para a
direita e a esquerda, seu ponto mais alto e mais baixo

Princípio da Causação
Todo efeito tem sua Causa, toda Causa tem seu Efeito, tudo acontece segundo uma Lei, nunca por acaso

Princípio do Gênero
Tudo tem seus aspectos "masculinos" e "femininos"

O conhecimento experimental dos princípios de Hermes por intermédio da interface meditativa com a Malha da Terra nos conduz aos segredos da geomancia. A Malha não é algo que está lá fora, longe de nós, segura e abstratamente separada de nossas vidas diárias. Nossos corpos moleculares e consciência humana, enquanto estamos na Terra, moram dentro da Malha.

A Malha é como um diapasão unificado que vibra com nosso espectro de Luz/Vida/Eletromagnético em relação à Terra, à medida que o recebemos diariamente de nosso paradigma de Evolução Estelar específico, o Sol, o centro astrofísico de nossa Malha de sistema solar local. Nosso Rei Sol é uma estrela em evolução, e nossas vidas na Terra, como humanos, recebem seu alento dentro dos limites dos parâmetros mediados pela Malha do corpo "Dele," nosso sistema solar familiar.

A Malha é a ligação esquecida entre a humanidade, em sua forma corporificada, a consciência que caminha na Terra e os céus estrelados. A Malha é o vínculo espiritual com a mistura de energias cósmicas e terrestres do experimento de consciência denominado Humanidade; é a forma penetrante da fusão harmoniosa das energias do sistema solar na consciência humana.

A Malha, na verdade, antedata a Terra física, sendo mais parecida com a estrutura de energia exterior da Mãe Gaia, seu protótipo e matriz de energia e luz predeterminada a partir dos quais se manifestou seu corpo físico. Nossas relações, na qualidade de humanos encarnados, com a Evolução Estelar que chamamos Sol são mediadas pela Malha que envolve a Terra.

A palavra chave aqui é homólogo. O corpo humano é cônico, retangular, ao passo que o corpo da Terra é esférico; contudo Hermes fala a verdade quando diz: assim no Alto como Embaixo.

O que existe no Céu é corporificado na Terra e no Humano, mas de maneiras específicas, adequadas à morfologia. Este é o significado de "Logos igual" (homo-logo), ou seja, a mesma Palavra. Da mesma maneira que o humano apresenta um sistema subterrâneo complicado de meridianos de acupuntura, que encerra o ch’i, a força vital, a Terra também apresenta uma miríade de matrizes no feitio de teia de linhas ley e pontos focais.

A geomancia e somamancia são as duas palavras mais importantes para se de explicar a Malha. Geomancia inicialmente significa "divinação dos segredos da Terra" (do grego, Gaia-mantos), mas depois de uma experiência meditativa com a Malha planetária, a palavra assume para nós seu significado mais amplo de "divinização da Terra," pois a consciência humana positiva, amorosa que realiza interface com a Malha ofertada pelos Céus conclui seu processo de divinização planejado. Somamancia (grego: corpo-mantos) é a palavra equivalente para a dimensão humana.

Quando  respiramos com o Amor do Alto, que é a energia fundamental por trás da luz e da matéria, presente em pontos focais da Malha, não apenas levamos as linhas de luz da Terra à claridade, como manifestamos nossa própria divindade inerente, percebemos nossas próprias linhas ley corporais, e passamos a corporificar, conscientemente, somamanticamente, esta ligação inquebrantável entre a Terra, o cosmo e o humano. Outro nome para esta ligação é Malha. Dessa forma, a geomancia e a somamancia são dois lados da mesma moeda. Quando harmonizamos e iluminamos o geo, fazemos reciprocamente o mesmo com o soma.

O ser humano não tem apenas o corpo físico aparente, e sim uma série de corpos sobrepostos multidimensionais que formam um tipo de Escada de Jacó longe do corpo familiar de ossos e carne, no Corpo de Luz. Esses corpos são descritos de várias maneiras de acordo com tradições diferentes, mas que incluem essencialmente o corpo etérico/eletromagnético (base dos meridianos e chakras), o corpo emocional (ou corpo astral, a dimensão formativa básica de emoções na forma de expressões polarizadas), o corpo mental (a esfera de conhecimento abstrato e pensamento concreto, o reino das Formas), e o corpo causal (sede da Alma, o agente infinito, espiritualizado por trás das encarnações humanas sucessivas).

Estes cinco Corpos formam um malha de consciência interpenetrante, como uma série de caixas chinesas, ou como as camadas de uma cebola, apresentando sempre outra camada interior. A Terra, de forma semelhante, apresenta esta superposição multidimensional de corpos de malha. Esta abstração conveniente e linear do que é indivisível, inteiro, simultâneo e síncrono mostra-se, no entanto, útil como modelo para se explicar os diferentes aspectos funcionais da Malha planetária. Começamos, dessa forma, com uma análise dos cinco Corpos de Malha de Gaia.


www.eurooscar.com/amz/amaluz103.htm

Um comentário:

  1. A libertação do Minotauro ocorre por auxílio de Ariadne, que representa a Sophia Divina (e não a sohpia caída). É através do conhecimento de sua Divindade Feminina (a centelha Divina da humanidade) que o Minotauro perde seu aspecto animal, instintivo, terreno e carnal, promovendo, assim, a saida do labirinto. A androginia é uma expressão de perfeição.
    Isso tb remete à caverna de platão, onde a descoberta da Luz (que gera sua respectiva sombra), permite a saída da caverna.

    ResponderExcluir