domingo, 7 de abril de 2013

ONDE ESTARÃO AS MANCHAS SOLARES?


Manchas solares são regiões frias e escuras na superfície do sol, dominadas por intensos campos magnéticos. Estas são as sedes de tempestades de partículas carregadas que geram belas auroras na Terra, mas que também podem devastar a eletrônica no espaço, afetando o transporte aéreo sobre as regiões polares, e as redes de energia na Terra.

Agora, os cientistas parecem ter descoberto a fonte de uma “seca” de manchas solares nos últimos anos.

O sol passa periodicamente por um fluxo e refluxo no número de manchas solares, um ciclo que dura aproximadamente 11 anos. No entanto, perto do final do ciclo solar 23, que chegou em 2001, a atividade solar entrou em um longo “mínimo”, com um grande número de dias sem manchas solares e um campo magnético polar muito fraco.

A não ser que se voltasse quase 100 anos, não seria possível encontrar um mínimo solar com um número maior de dias sem manchas. No entanto, esta “seca” finalmente acabou em 2009. O sol chegou a seu ciclo seguinte, o ciclo solar 24.

Para entender como o sol “perdeu” suas manchas, os cientistas desenvolveram simulações em computador do campo magnético do astro, que simulou 210 ciclos de manchas solares. Ao mesmo tempo, eles variaram a velocidade do sol de norte a sul, ou “meridional”, a circulação de plasma super quente no interior do sol.

Os pesquisadores descobriram que o fluxo meridional rápido na primeira metade de um ciclo solar, seguido por um fluxo mais lento no segundo semestre, levou a um mínimo de manchas solares, efetivamente reproduzindo o ciclo mínimo de 23 ao qual o sol foi submetido.

Anteriormente, os dias de seca levaram alguns cientistas a sugerir que poderia ter ocorrido uma repetição do Mínimo de Maunder, um período de 50 anos de manchas solares frias que alguns investigadores ligaram à Pequena Idade do Gelo do século 17.

Os pesquisadores ainda não sabem como esses fluxos meridionais induziram a mudança de velocidade que causou a seca de manchas solares. A circulação meridional é impulsionada em parte pela energia obtida a partir do interior solar e pequenas diferenças de temperatura entre o equador e os pólos solares.

Variações em sua circulação podem ser causadas por mudanças nesses fatores ou pelo feedback de fortes campos magnéticos nos fluxos. Só que os cientistas ainda não compreendem a complexidade destes processos com grande detalhe.

Segundo os pesquisadores, os resultados são importantes porque demonstram como pequenas mudanças na dinâmica interna do sol podem afetar profundamente a sociedade atual de base tecnológica.

Em princípio, o modelo desenvolvido pode ser estendido, em conjunto com as observações dos fluxos de plasma solar, para fazer previsões de curto prazo da atividade solar. Os pesquisadores podem prever se haverá tempo bom no espaço, ou sobre as regiões polares, por um período sustentado de tempo e usar esse conhecimento para planejar missões espaciais e de tráfego aéreo nas rotas polares.

LiveScience

Nenhum comentário:

Postar um comentário